PORTAL NIPPOBRASIL OnLine - 13 ANOS
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
    Horário de Brasília: Sábado, 02 de agosto de 2014 - 5h33
Destaques: Curso de JaponêsCulináriaHoróscopoAgendaInício    
História e Mestres
Pétalas ao vento
Haicai dos leitores

Resultados e premiações dos Concursos

Nos bastidores do Haicai Brasileiro
História do Haicai
Uejima Onitsura (1661–1738)
aki kaze no
fukiwatari keri
hito no kao

Tradução:

O vento de outono
Atravessando a campina –
Rostos de pessoas.


O kigo é aki kaze, “vento de outono”, que indica também a estação do haicai. Originalmente, o poema também era acompanhado da epígrafe “Passeio por uma trilha na campina”, que embasa esta tradução. O autor descreve um cenário trivial: nada mais do que o vento de outono a soprar através do prado. Ao utilizar o verbo “atravessar”, o haicai registra precisamente a paisagem desolada em sua imensidão. Porém, o terceiro verso sinaliza uma mudança brusca de enfoque, que passa da campina para os passantes que a freqüentam e, nesta passagem, transfere em cheio o clima melancólico da natureza para a expressão das pessoas. É certo que este haicai foi a pá de cal sobre o estilo Danrin praticado até então por Onitsura, embora haja dúvidas sobre se ele teria ou não sofrido influência da escola de Bashô. Seu elevado nível poético, apesar da estrutura simples, sem artifícios lingüísticos, caracteriza, na visão de seus comentadores, a “técnica sem técnica” alcançada pelo autor. Vários dos haicais de Onitsura caíram no gosto do povo, mas não se comparam a este em valor literário.

-
Uejima Onitsura (1661–1738)
nyoppori to
aki no sora naru
fuji no yama

Tradução:

Imponentemente
Ergue-se ante o céu de outono –
Monte Fujiyama.


O kigo é aki no sora, céu de outono, que também define a estação a que pertence o haicai. O ponto de interesse deste poema reside no uso do advérbio nyoppori, originado da linguagem popular. É um exemplo de gitaigo (palavra de caráter mimético que imita estados ou ações, inclusive de seres inanimados, recurso característico da língua japonesa), sintetizando a natureza daquilo que se eleva ante os olhos de maneira majestosa. Este é o caso do Monte Fuji, cuja figura se deixa enxergar nitidamente contra o céu azul, durante os dias claros de outono. Dado o reduzido espaço de 17 sílabas do haicai, não há maneira mais adequada de se transmitir a grandeza do cenário senão usando uma expressão desse tipo. A tradução apenas vislumbra a eficiência com que o original retrata a poderosa presença da montanha sagrada do Japão. Este é um dos haicais mais famosos de Onitsura, um especialista no uso de linguagem cotidiana. Contemporâneo de Bashô, iniciou-se na escola Danrin, inicialmente como discípulo de Shigeyori e posteriormente de Sôin, mas logo desenvolveu seu próprio estilo.


História do Haicai
Arakida Moritake (1473–1549)
Hattori Ransetsu (1654–1707)
Hattori Tohô (1657–1730)
Hirose Izen (?-1711)
Hori Bakusui (1718–1783)
Ihara Saikaku (1642-1693)
Ikenishi Gonsui (1650–1722)
Imbe Rotsû (1649–1738)
Inoue Shirô (1742-1812)
Kaga no Chiyoni (1703–1775)
Kagami Shikô (1665–1731)
Katô Kyôtai (1732–1792)
Kawai Chigetsu (? – 1708)
Kawai Sora (1649–1710)
Kaya Shirao (1738-1791)
Kitamura Kigin (1624-1705)
Kobayashi Issa 1 (1763-1827)
Kobayashi Issa 2 (1763-1827)
Konishi Raizan (1654-1716)
Kuroyanagi Shôha (1727-1771)
Matsue Shigeyori (1602–1680)
Matsunaga Teitoku (1571–1653)
Matsuo Bashô 1 (1644-1694)
Matsuo Bashô 2 (1644-1694)
Miura Chora (1729-1780)
Morikawa Kyoriku (1656-1715)
Mukai Kyorai (1651–1704)
Naitô Jôsô (1662–1704)
Natsume Seibi (1749-1816)
Nishiyama Sôin (1605-1682)
Nonoguchi Ryûho (1595–1669)
Nozawa Bonchô (?–1714)
Ochi Etsujin (1656-?)
Ôshima Ryôta (1716–1787)
Shiba Sonome (1664-1726)
Shida Yaba (1663-1740)
Sugiyama Sampû (1647-1732)
Suzuki Michihiko (1757-1819)
Tachibana Hokushi (?-1718)
Takai Kitô (1741-1789)
Takakuwa Rankô (1726-1798)
Takarai Kikaku (1661–1707)
Takebe Sôchô (1761-1814)
Tan Taigi (1709–1771)
Uejima Onitsura (1661–1738)
Yasuhara Teishitsu (1610-1673)
Yamazaki Sôkan (? - 1539)
Yosa Buson 1 (1716–1783)
Yosa Buson 2 (1716–1783)
Yosa Buson 3 (1716–1783)
  © Copyright 1992-2010 - Jornal Nippo-Brasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br