Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 11 de dezembro de 2017 - 15h20
22/07/2013 - Especial - Portal NippoBrasil
 
Aprender chinês não é tão difícil assim


Professoras Jessica Li (sentada) e Liliane Wang da
Escola Tianjin de São Paulo

(Texto e foto: NippoBrasil)

O chinês é considerado o idioma mais falado no mundo, por causa da quantidade de pessoas que o utilizam (quase um quinto da população mundial). Entretanto, essa língua já não é a mais difundida em outras culturas. Somente a partir da década de 1980, quando a China abriu suas portas para o investimento estrangeiro, com ofertas de boas condições de infraestrutura, mão de obra e matérias-primas mais baratas, é que surgiu o interesse dos estrangeiros em aprender a língua chinesa, pois empresas do mundo inteiro abriram suas bases naquele país. Saber se comunicar em chinês, hoje, é um plus para a carreira profissional. No entanto, a pergunta é inevitável: "Afinal, aprender chinês é difícil?".

Quem se depara com os caracteres chineses, de cara, já se assunta: "Como vou ler aquilo?". "Quantos caracteres eu devo aprender? Trinta mil, 10 mil?". "Como vou construir uma frase?" Bem, a escrita chinesa moderna utiliza em torno de 4 mil caracteres em seu cotidiano, porém a gramática é muito simples e a língua é tonal e monossilábica. Não há flexões verbais em chinês, nem variações de gênero e outras complicações gramaticais. Além do mais, desde os anos de 1950, com o governo da República Popular da China, o país passou a simplificar muitos de seus caracteres e criou um sistema fonético que utiliza o alfabeto romano (abc...). Ou seja, ficou mais fácil para o estrangeiro aprender o idioma.

"O estudante não precisa necessariamente saber ler os caracteres para aprender a falar chinês e, na capital chinesa, muitos caracteres estão sinalizados em alfabeto romano", afirma a professora de língua chinesa da Escola Tianjin de São Paulo, Jessica Li. Contudo, para dominar a escrita, ela aconselha: "[é preciso] ter perseverança e treinar sempre".

Entretanto, se você é um descendente de japoneses e já aprendeu um pouco da língua de seus ancestrais, terá mais facilidade para aprender o chinês. Você pode estar pensando agora: "Mas o japonês tem cerca de 2 mil ideogramas e o chinês 4 mil. Não dobrou a dificuldade?". Não, porque a língua japonesa tem outras diferenças: apesar de ela ter a metade da quantidade de ideogramas em relação à língua chinesa, o japonês tem mais que o dobro de formas de leitura diferentes de um ideograma (onyomi e kunyomi), o que complica e muito a pesquisa de uma palavra no dicionário. Além disto, ele tem mais dois tipos de escritas diferentes (hiragana e katakana), tem uma gramática mais complexa e possui aquelas construções frasais chamadas "honoríficas", com formas verbais e termos específicos que variam, dependendo da posição entre os interlocutores. Nós sabemos que um simples "eu", em japonês, pode ser falado com palavras diferentes. Já no chinês, cada ideograma tem apenas uma forma de leitura. Portanto, aprender chinês não deve ser tão difícil assim.

 
DETALHES DA LÍNGUA CHINESA

• Oficialmente a China adotou o idioma Mandarim (dialeto falado na região de Pequim/capital). O país tem vários dialetos.

• Os caracteres são chamados de Hanzi;

• A partir do governo da República Popular da China de 1949, os caracteres mais comuns foram simplificados (Jian ti zi). Esta reforma da língua foi realizada com o objetivo de acelerar a educação no país. A quantidade de traços dos caracteres foi diminuída.

• São cerca de 2.200 caracteres simplificados. E o sistema fonético oficial adotado é o Pinyin, que utiliza o alfabeto romano (veja tabela). É necessário aprender cerca de 3.500 caracteres para uso normal.

• Os caracteres tradicionais (Fan ti zi) e não simplificados são utilizados em regiões que foram ou são independentes da China continental, como Taiwan, Hong Kong, entre outros. Eles utilizam a fonética tradicional zhuyin. São cerca 80 mil caracteres existentes, porém somente cerca de 4 mil utilizados no cotidiano.

 

RAZÕES PARA TENTAR APRENDER O CHINÊS

• A China é um país em crescimento;

• A gramática é muito simples, não há flexões verbais, não há gênero feminino ou masculino, entre outras coisas. As frases são faladas com composição e combinação das palavras. O passado e futuro são apenas sinalizados com partículas;

• Você consegue aprender o chinês sem saber escrever os caracteres, seguindo a tabela fonética Pinyin;

• Cada caractere corresponde a uma sílaba, uma leitura e um significado. Os caracteres são monossilábicos. Uma palavra pode ser formada por um ou mais caracteres;

• No Chinês, o verbo não é flexionado. A construção da frase é simples:
ex: ontem eu comer sopa;

• O aprendizado da escrita é através de memorização e treinamento;

 

O QUE PODE COMPLICAR:

• A fonética: a chance de você mencionar uma palavra totalmente diferente do contexto, por causa de sua pronúncia, é muito grande. Pois o chinês tem quatro tipos de sons de uma vogal. É uma língua tonal.

• A escrita: escreva os caracteres sempre e para a vida toda. Só assim você aprenderá.

• Ao aprender os caracteres chineses, não os compare com os ideogramas japoneses, pois a simplificação dos caracteres de mesma origem não é unificada entre países. A língua japonesa apenas importou parte da escrita chinesa e a adaptou à já existente língua japonesa falada.

 
Tabela Pinyin

Serviço:
Tianjin Escola de Idiomas
Rua Luis Góis, 1417 Vl. Clementino São Paulo - SP
e-mail: tianjinidiomas@gmail.com

 Busca
 Especial
Especial - Nippo-Brasil
• Mês de julho tem Festival das Estrelas
Especial - Nippo-Brasil
• Festa de celebração do Ano do galo 2017 em São Paulo e previsões
Especial - Nippo-Brasil
• + 10 Provérbios Japoneses
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 311
• Gairaigo: as palavras estrangeiras na língua japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 304
• Provérbios do Japão:
sabedoria através dos tempos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 302
• Hanami, uma bela tradição japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 301
• Simbologia japonesa: os animais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 300
• Simbologia japonesa:
as flores e as árvores
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 281
• Você sabe o que significa seu sobrenome?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 279
• Oriente-se para fazer ginástica!
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 271
• Bonsai, a natureza em miniatura
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 253
• Desvendando os
seres da mitologia japonesa
Especial - Nippo-Brasil
• Kaburimono (literalmente, aquilo que se põe na cabeça)
Especial - Nippo-Brasil
• Conheça alguns amuletos e preces orientais
Especial - Nippo-Brasil
• Shichifukujin, as sete divindades
Especial - Nippo-Brasil
• Daruma: sinônimo de sucesso
Especial - Nippo-Brasil
• A história da Hello Kitty
Especial - Nippo-Brasil
• A história e a tradição do Maneki Nekô no Japão
Especial - Nippo-Brasil
• Escrevendo seu nome brasileiro em caracteres japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• 10 Provérbios Japoneses
Arquivo Nippo-Brasil - Edição 27
• Crueldade marca início
do bairro da Liberdade
Arquivo Nippo-Brasil - Edição 26
• Liberdade: um pedacinho
do Japão em São Paulo
• Nomes japoneses mais populares de 2013
• Aprender chinês não é tão difícil assim
• Homens donos de casa
• Executivos japoneses no Brasil convivem com diferenças culturais no País
• Japão ainda dificulta a carreira de mulheres
• Japão estimula funcionários a tirarem licença-paternidade
• Ano-Novo no Japão só
termina em meados de janeiro
• Marcos da imigração no Vale do Ribeira viram patrimônios históricos
• Natal à japonesa: sem feriado, ceia, missa e nem panetone
• Mulheres aderem à moda do plastimodelismo
• Editoras japonesas buscam formas de atrair mais leitores
• Ensino de japonês abre horizonte para estudantes da rede pública
• A nova imigração japonesa no Brasil
• Escolas em São Paulo ajudam a preservar cultura japonesa no País
• Mulheres casadas preferem ficar em casa do que trabalhar fora
• Japão oferece facilidades aos portadores de necessidades especiais
• Suicídios afetam 35 mil trens por ano
• Divórcios no Japão e Brasil:
Quando o amor acaba
• Maternidade torna-se problema social no Japão
• Helper: Os cuidadores de idosos
• Taikô à brasileira
• Como escolher o nome em Japonês

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

141 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases