Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Quarta-feira, 21 de novembro de 2018 - 14h31
 

Watsu uma terapia de lavar a alma


Sensações de aconchego, bem-estar e relaxamento são proporcionadas pela técnica criada pelo americano Harold Dull, baseada no zen-shiatsu e aplicada numa piscina de água quente
 

(Arquivo Jornal NippoBrasil)

A temperatura da água é agradável e chega aos 35ºC. O profundo relaxamento, aconchego e paz proporcionados pelo watsu – terapia inspirada no zen-shiatsu que associa massagens e alongamentos do shiatsu aplicados na água – faz com que a pessoa que tem o privilégio de recebê-lo queira viver eternamente embalado por essas sensações.

Após uma breve conversa com a terapeuta, no qual se responde perguntas referentes ao estado emocional (se está triste o toque será mais leve e de aconchego; se está agitado, o watsu será mais rápido para extravasar) e problemas de saúde (se tem desvio de coluna, pressão alta, baixa, doença cardíaca), você é conduzido a uma das paredes da piscina onde, com os joelhos flexionados para que a água morna recubra os ombros e com os olhos fechados, dá-se início ao relaxamento.

Uma música suave se ouve ao fundo. Após a colocação de flutuadores nos tornozelos, que facilitarão o manejo dos mais “cheinhos” e de massa muscular sobressaliente, lentamente seu corpo é levado à posição horizontal. A água recobre os ouvidos e parece que o mundo à sua volta já não existe mais. É só você, seus pensamentos e o som do inspirar e expirar da respiração.

Iniciados os movimentos de alongamento na água, outra sensação que se tem é de segurança. “No zen-shiatsu existe uma mão que acalma e dá segurança, enquanto a outra trabalha. No watsu também sempre tem um contato, se minha mão não está trabalhando, existe um braço inteiro ou meu tronco inteiro encostado, para a pessoa nunca se sentir sozinha”, explica a terapeuta e educadora física Priscila Takara.

Há ainda quem atribua ao watsu o mesmo efeito de estar no ventre materno. Não é para menos. Além da temperatura da água ser equivalente à corpórea, certos movimentos em que a terapeuta nos embala como se fôssemos um bebê de colo lembram muito o aconchego de uma mãe.


“Estava ansiosa porque nunca tinha feito. Cheguei com dor cervical e no braço. Agora estou bem. Você relaxa profundamente, dá para chegar num outro espaço. Eu me desliguei, deu uma impressão de estar voando, voando...” Yatiyo Osugui

Durante a sessão, nada é dito. O fato de ser um momento particular, de contato com o próprio interior, pode trazer à tona lembranças reprimidas e muitas vezes choros involuntários. Nesses casos, a terapeuta sempre mantém-se atenta e conduz a sessão conforme a necessidade emocional do paciente, que pode pender para o colo ou um carinho mais intenso.

“Existe um alongamento passivo, provocado pela viscosidade da água que vai fazendo movimentos no corpo. Mas o watsu é mais que um exercício, o grande chavão é a possibilidade de ter uma intervenção psicológica sem verbalizar. Quem faz não sai do mesmo jeito que entrou. Se puder participar desse processo de mudança, para mim já é uma grande satisfação”, diz Takara.

A sessão é finalizada quando a terapeuta retorna o paciente novamente à posição vertical e o encosta na parede. As mãos estendidas do paciente se despedem e se separam das do profissional. A alma sai lavada.


“Parece que você está no fundo do mar - você escuta bastante o barulho da água. A primeira vez que fiz senti uma grande leveza e paz. Tenho um pouco de medo da água, mas a terapeuta passa confiança. Desta vez senti mais sono, acho que por causa da gravidez. A gente escuta a respiração mais forte e o gostoso é o alongamento, a gente relaxa e fica toda mole”
Gabriela Yoshizato Ultramari,

 

Histórico

A palavra watsu resulta da combinação das palavras water (do inglês, água) e shiatsu. O processo terapêutico foi criado pelo terapeuta americano e mestre de zen-shiatsu Harold Dull, que a partir da década de 80 procurou transportar os alongamentos e massagens desta técnica oriental para as piscinas aquecidas de Harbin Hot Springs – um importante centro de terapias corporais da Califórnia, nos Estados Unidos.

Inspirado no zen-shiatsu, terapia que se baseia no toque em certos pontos do corpo com o intuito de equilibrar a energia ao longo dos meridianos (canais de energia), o watsu tem como filosofia reduzir o sofrimento através do aumento do bem-estar de quem recebe.

No Brasil, a responsável pela introdução do watsu foi a terapeuta alemã Ursula Garthoff, que se apaixonou pela técnica após receber uma sessão. Fez o curso de watsu no Waba (World Aquatic Bodywork Association), com o próprio criador da técnica. Hoje ela dirige o Watsu Center Brasil (veja na página ao lado Onde Aprender), sendo responsável pela formação de profissionais capacitados a aplicar a terapia.

 

Indicações e contra-indicações

A água quente e a pressão que ela exerce sobre o corpo ajudam a circulação sangüínea e produz efeito analgésico. O watsu é indicado para pessoas com problemas respiratórios já que fortalece a musculatura pulmonar e expande a capacidade de respiração devido à pressão exercida na água. “Casos de estresse, dores, quem é ansioso, tem depressão, algum vício, pessoas na terceira idade que geralmente são mais carentes e rígidas, gestantes... Todo mundo merece receber a terapia, não tem limite de idade”, diz Takara.

Muito procurado por mulheres grávidas, o watsu proporciona uma descompensação postural, ou seja, o relaxamento da musculatura da região das costas e dos quadris que recebem uma sobrecarga em função do aumento do abdome. Além da compensação física a terapia permite trabalhar o emocional da gestante, minimizando a insegurança, o medo, a ansiedade e as preocupações típicas do período. O único cuidado é evitar fazer antes do terceiro mês, que corresponde aos primeiros meses de formação do bebê; e a partir do oitavo, em função da proximidade do nascimento.

Crianças hiperativas e pacientes com fibromialgia – doença sem cura que provoca dor generalizada – também podem recorrer ao watsu para extravasar e relaxar. As contra-indicações são praticamente as mesmas de quem vai entrar na piscina ou fazer natação: ferida aberta, tímpano perfurado, febre alta, alergia a cloro, etc.

E é também de acordo com cada organismo a reação pós-sessão. Há aqueles que ficam em “marcha lenta” o resto do dia e nem conseguem mais trabalhar. Já outros saem num pique total e se fizerem a terapia à noite, poderão ter dificuldades para dormir e se desligar. Prestar atenção nessas reações o ajudarão a escolher o horário mais adequado para a sessão.

 
Arquivo Edição 163 - 10 a 16 de julho de 2002 - Especial - Portal NippoBrasil
 Busca
 Especial
Especial - Nippo-Brasil - 14 de maio de 2018
• Escola OEN, fiel à filosofia japonesa desde a sua origem
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 311
• Gairaigo: as palavras estrangeiras na língua japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 304
• Provérbios do Japão:
sabedoria através dos tempos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 302
• Hanami, uma bela tradição japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 301
• Simbologia japonesa: os animais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 300
• Simbologia japonesa:
as flores e as árvores
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 281
• Você sabe o que significa seu sobrenome?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 279
• Oriente-se para fazer ginástica!
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 271
• Bonsai, a natureza em miniatura
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 253
• Desvendando os
seres da mitologia japonesa
Especial - Nippo-Brasil 186
• Bonenkai - Fechar o ano com chave de ouro
Especial - Nippo-Brasil 180
• Danças Japonesas
Especial - Nippo-Brasil 177
• Viciados em Jogos
Especial - Nippo-Brasil 171
• Jardim Japonês: Um cantinho para meditar
Especial - Nippo-Brasil 170
• Alimentos: eles curam?
Especial - Nippo-Brasil 169
• Wadaiko: o estilo japonês de tocar taiko
Especial - Nippo-Brasil 168
• Saque: A bebida milenar japonesa
Especial - Nippo-Brasil 167
• Que bicho é seu pai no Horóscopo Oriental?
Especial - Nippo-Brasil 163
• Watsu uma terapia de lavar a alma
Especial - Nippo-Brasil 161
• Kumon, o método japonês de ensino individualizado: lições para a vida toda
Especial - Nippo-Brasil 155
• Banho de Ofurô: cores e sabores de um ritual milenar
Especial - Nippo-Brasil 154
• Agrade à sua mãe
Especial - Nippo-Brasil 150
• Jogos Japoneses: Shogui e Gô
Especial - Nippo-Brasil
• + 10 Provérbios Japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• Kaburimono (literalmente, aquilo que se põe na cabeça)
Especial - Nippo-Brasil
• Conheça alguns amuletos e preces orientais
Especial - Nippo-Brasil
• Shichifukujin, as sete divindades
Especial - Nippo-Brasil
• Daruma: sinônimo de sucesso
Especial - Nippo-Brasil
• A história da Hello Kitty
Especial - Nippo-Brasil
• A história e a tradição do Maneki Nekô no Japão
Especial - Nippo-Brasil
• Escrevendo seu nome brasileiro em caracteres japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• 10 Provérbios Japoneses
Arquivo Nippo-Brasil - Edição 27
• Crueldade marca início
do bairro da Liberdade
Arquivo Nippo-Brasil - Edição 26
• Liberdade: um pedacinho
do Japão em São Paulo
• Nomes japoneses mais populares de 2013
• Aprender chinês não é tão difícil assim
• Homens donos de casa
• Executivos japoneses no Brasil convivem com diferenças culturais no País
• Japão ainda dificulta a carreira de mulheres
• Japão estimula funcionários a tirarem licença-paternidade
• Ano-Novo no Japão só
termina em meados de janeiro
• Marcos da imigração no Vale do Ribeira viram patrimônios históricos
• Natal à japonesa: sem feriado, ceia, missa e nem panetone
• Mulheres aderem à moda do plastimodelismo
• Editoras japonesas buscam formas de atrair mais leitores
• Ensino de japonês abre horizonte para estudantes da rede pública
• A nova imigração japonesa no Brasil
• Escolas em São Paulo ajudam a preservar cultura japonesa no País
• Mulheres casadas preferem ficar em casa do que trabalhar fora

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2018 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

213 usuários online