PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Quarta-feira, 22 de novembro de 2017 - 3h44
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


.

Opinião - Edição 587 - Jornal NippoBrasil

Inflação

Teruo Monobe*

Primeira página dos jornais e manchetes de noticiários de rádios e TVs, a inflação voltou mesmo com tudo, como havia sido previsto. Já atento a esse fato, o Comitê de Política Monetária havia se antecipado e aumentado os juros. O complemento da notícia é que a inflação de janeiro foi a maior desde 2005. No caso, foi o IPCA que atingiu 0,83%, elevando as previsões para uma taxa mais alta para 2011. O ministro da Fazenda tenta acalmar os ânimos, mas não consegue, já que parece que neste primeiro trimestre do ano a luta está inglória.

As razões do aumento da inflação são transporte coletivo e alimentos. A alta de preços de material escolar vai ficar para fevereiro. Imagine o leitor se os reajustes de salários (de mais de 60%) dos políticos entrassem no cômputo do custo de vida (afinal somos nós que pagamos os salários deles; portanto, é um custo), a inflação estaria nas alturas, só comparado com o período pré 1994. Aliás, os aumentos dos serviços públicos, exceto os de transportes, não entram no custo de vida. Exemplos são as taxas para atender a burocracia brasileira.

Voltando à questão da inflação, dizem os analistas que provavelmente o índice anualizado (12 meses) no meio do ano chegue a ser superior a 6,5%, para depois cair, caso não ocorra nenhum fato atípico. Por isso, o que se convencionou chamar de “centro da meta” (4,5%) não tem mínimas chances de ser alcançado. Nem em 2012. Repare o leitor que a diferença entre as previsões de um ano atrás e a realidade atual é de quase 50% para cima. E não adianta o ministro da Fazenda dizer que se trata de alta sazonal e passageira e que não é preocupante.

Os analistas dizem que o que é preocupante é o próprio governo não estar preocupado, o que provoca reação contrária dos agentes econômicos. Alguns fatores externos continuam provocando pressões inflacionárias, como é o caso das commodities agrícolas. Para nós, o que preocupa é o remédio que o Banco Central tem usado: a elevação dos juros, cujo patamar até meados do ano pode chegar a 12,75%. Também é preocupante o aumento da inadimplência nestes últimos tempos, embora as autoridades digam que “tudo está sob controle”.

Em sua coluna, Celso Ming rejeita as explicações escapistas típicas das autoridades quanto à inflação. Assim, ele diz que “a inflação é o produto de três causas que se conjugaram: despesas excessivas do governo federal, disparada também excessiva do crédito e atraso do Banco Central em começar a agir”. Lembra o comentarista o que já explicamos há algum tempo: que, com o incentivo ao crédito, a demanda cresceu mais rapidamente do que a capacidade das empresas de ofertarem os produtos. Os ganhos salariais também agravaram as coisas.

Outro fato, que já comentamos também nesta coluna, é que no Brasil a poupança popular é baixíssima se comparada com a verificada no exterior: 17%. Com o nível de investimento de 20%, o país depende da poupança externa, o que faz com que o Banco Central ofereça juros altos para atrair o investidor (que na realidade acaba confundindo-se com o especulador). Celso Ming também faz referência ao crescimento dos postos de trabalho e de salários acima da produtividade, o que acabam elevando o consumo e piorando a situação.

A partir do exposto, fica a velha pergunta: como combater a inflação? Dez entre dez analistas vão repetir que o governo tem de diminuir as despesas públicas para baixar a renda e o consumo. Baixar a renda não dá, mas reduzir o crédito, sim; está é uma medida um tanto antipática, já que não faz tempo o próprio governo incentivava o crédito. O pior dos remédios, embora necessário, é elevar os juros. As consequências são rápidas: a entrada de dólares em janeiro foi a segunda maior da história. Tudo o que se falar sobre isso vai ser redundante.

Notícia alvissareira foi que o governo prometeu corte o recorde de R$ 50 bilhões para frear o consumo e a inflação. Embora o valor seja considerado pelos analistas como insuficiente para atingir a meta de superávit primário em 2011, é um grande passo que o governo dá para mostrar maior responsabilidade fiscal. Reduzindo o consumo, a previsão de crescimento passa a ser de 5% (de acordo com o governo), ou de 4,6% (de acordo com o mercado). Está começando a desconstrução dos últimos anos do governo anterior. Felizmente.




*Mestre em Administração Internacional e doutor pela USP

 

 Coluna: Opinião
23/11/2016 - Por Junji Abe
Tite, Temer e o Brasil
20/10/2016 - Por Junji Abe
Imposto mata o Brasil
30/08/2016 - Por Junji Abe
Legado dos Jogos Olímpicos
27/06/2016 - Por Junji Abe
Novos desafios
21/06/2016 - Por Junji Abe
Gênero de 1ª necessidade
20/05/2016 - Por Junji Abe
Missão do presente
04/04/2016 - Por Junji Abe
Melhor qualidade de vida
18/03/2016 - Por Junji Abe
Geração perdida
17/02/2016 - Por Walter Ihoshi
Não podemos jogar a tolha
30/12/2015 - Por Junji Abe
Trio do bem
27/11/2015 - Por Junji Abe
Lama da morte
29/09/2015 - Por Junji Abe
Resgate da policultura
14/09/2015 - Por Junji Abe
Terrorismo tributário
12/06/2015 - Por Junji Abe
Dignidade das domésticas
30/04/2015 - Por Junji Abe
Alerta aos aposentados
26/03/2015 - Por Junji Abe
Chega de imediatismo no Brasil
05/03/2015 - Por Junji Abe
Revolta dos caminhoneiros
25/11/2014 - Por Tetsuro Hori
Por que privatizar o sistema de transporte de massa e quais são os principais benefícios
11/04/2014 - Por Walter Ihoshi
A internet e o futuro de um mundo conectado
10/01/2014 - Por Junji Abe
Ranking do Progresso
18/10/2013 - Por Hélio Nishimoto
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki
14/08/2013 - Por Hatiro Shimomoto
Bons usos e costumes
para o Brasil
20/07/2013 - Por Walter Ihoshi
Santas Casas na UTI
05/06/2013 - Por Lizandra Arita
Dia das Mães:
Q ue tipo de mãe é você?
19/04/2013 - Por Kunihiko Chogo
Adaptando-se ao jeito
brasileiro de ser
08/12/2012 - Por Keiko Ota
Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência
13/10/2012 - Por Walter Ihoshi
A importância da transparência dos impostos
Por Teruo Monobe
Inflação
Por Teruo Monobe
Equilíbrio fiscal
Por Teruo Monobe
Balança comercial
Por Teruo Monobe
Brasil caro
Por Teruo Monobe
O que se passa
na economia global
Por Teruo Monobe
Discurso de posse
Por Teruo Monobe
2011 e o longo prazo
Por Teruo Monobe
Ano-Novo, tudo
novo em 2011
Por Teruo Monobe
A volta do ouro
Por Teruo Monobe
Novo governo, velho problema
Por Teruo Monobe
Natal gordo
Por Teruo Monobe
Novamente, a Europa em crise
Por Teruo Monobe
Esperando o Plano Dilma

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo