PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Terça-feira, 19 de setembro de 2017 - 15h44
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


.

Opinião - Edição 576 - Jornal NippoBrasil

Novamente, a Europa em crise

Teruo Monobe*

Encerrada a última reunião do G-20 em 2010, a notícia em evidência é que dois novos países da União Europeia (UE) estão quebrados. Para quem segue a crise na Europa, não se trata de nenhuma novidade, pois Portugal e Irlanda já eram citados como países prontos para pedirem socorro. Era uma questão de tempo. A situação agora não é nada tranquila: ambos se acham encrencados com o pagamento dos juros das suas elevadas dívidas, ou seja, estão “na marca do pênalti”. Mas não é só isso, eles têm outros graves problemas que vão ser revelados logo.

Um parêntese: como prognosticado, a reunião do G-20 não deu em nada. Pelo contrário, o cenário do momento é pior do que na ocasião de outras reuniões. Enquanto nas reuniões passadas, a tônica era a busca de soluções para a crise, agora é a discussão de quão ruins têm sido as soluções dadas. Por exemplo, o Banco Central americano (FED) está inundando o mercado com US$ 600 bilhões e repartindo com o mundo os custos do ajuste. Quer dizer, todos vão ter de ajudar (e pagar para) os norte-americanos a saírem da crise.

Bem, o resumo é que a cúpula do G-20 deixou para o FMI resolver a grave crise global. Quer dizer, os outros que se danem. Não adianta espernear. Está voltando a era do “salve-se quem puder”. Os líderes ganham quando as coisas estão boas e os liderados pagam quando as coisas pioram, e fica por isso mesmo. Como foi derrotado nas recentes eleições para a composição do Congresso, o presidente Barack Obama tem agora de se preocupar com a política interna. O pessimismo domina: dias piores virão para o comércio mundial que será bastante prejudicado.

Voltando à crise da Irlanda e de Portugal, a questão agora é o que fazer para “obrigar” os ditos países a se enquadrarem na política da União Europeia. A cobrança é grande: que os países apresentem detalhes do que farão para conter os gastos públicos e honrar o pagamento dos juros das elevadas dívidas. Pior, a expectativa é que as medidas de austeridade que precisam ser apresentadas não devem ser suficientes para resolver a crise. A Grécia é prova disso: já está novamente com problemas depois da ajuda da UE. A coisa pode se repetir com outros atores.

Os brasileiros sabem pouco sobre a economia portuguesa. Sabem apenas que o país saiu de uma ditadura (de Salazar) de 36 anos, mergulhou na Revolução dos Cravos (ou Golpe Militar de 25 de abril) de 1974, e depois deu independência às suas colônias africanas. Com a adesão à União Europeia em 1986, o país iniciou um período de reformas e de altos investimentos em infra-estrutura, o que propiciou crescimento econômico considerável. Portugal só foi superado pela Irlanda em taxa de crescimento do PIB nos últimos 40 anos.

A Irlanda, por outro lado, antes de a crise estourar, era um “tigre celta”, tal o boom econômico experimentado nos últimos dez anos. Por uma década, teve uma das mais elevadas taxas de crescimento da Europa, atraiu investimentos na indústria de alta tecnologia e, principalmente, passou de país de quem os ingleses faziam piada a um respeitado exportador. Agora, o país se vê diante da estagnação, e com a perspectiva de sofrer uma intervenção branca da UE, não só tem o orgulho ferido, mas passa por um baque na política econômica do país.

Agora, com a intervenção da UE, as coisas mudam muito em Portugal e Irlanda. Mais do que o ressurgimento da crise que não arrefece na Europa, coloca em dúvida o fundo de estabilização europeu, ou fundo temporário de socorro (criado após a crise grega), se este fundo funciona mesmo. Ocorre que tanto a Irlanda como Portugal tem a capacidade de tomar empréstimos mesmo bastante debilitada, o que faz que os juros se elevem. Mais importante, os países ficam nas mãos da UE, do FMI e do Banco Central Europeu. É muita e burocracia a vencer.

Mais uma vez, nada de final feliz (de ano). O ano do Tigre (no horóscopo chinês) termina mal para os irlandeses, cujo país era o tigre celta. Comentários maldosos ironizam que o tigre irlandês era de papel. O ano do tigre era previsto como de desacordos e desastres de todo tipo. O próximo ano é o do Coelho, cuja característica é a calma. Mas, na cultura ocidental, o coelho é conhecido como um animal veloz. Então, será que 2011 vai ser calmo ou veloz? Uma coisa é certa: rapidez (principalmente de crescimento econômico) está fora de cogitação.




*Mestre em Administração Internacional e doutor pela USP

 

 Coluna: Opinião
23/11/2016 - Por Junji Abe
Tite, Temer e o Brasil
20/10/2016 - Por Junji Abe
Imposto mata o Brasil
30/08/2016 - Por Junji Abe
Legado dos Jogos Olímpicos
27/06/2016 - Por Junji Abe
Novos desafios
21/06/2016 - Por Junji Abe
Gênero de 1ª necessidade
20/05/2016 - Por Junji Abe
Missão do presente
04/04/2016 - Por Junji Abe
Melhor qualidade de vida
18/03/2016 - Por Junji Abe
Geração perdida
17/02/2016 - Por Walter Ihoshi
Não podemos jogar a tolha
30/12/2015 - Por Junji Abe
Trio do bem
27/11/2015 - Por Junji Abe
Lama da morte
29/09/2015 - Por Junji Abe
Resgate da policultura
14/09/2015 - Por Junji Abe
Terrorismo tributário
12/06/2015 - Por Junji Abe
Dignidade das domésticas
30/04/2015 - Por Junji Abe
Alerta aos aposentados
26/03/2015 - Por Junji Abe
Chega de imediatismo no Brasil
05/03/2015 - Por Junji Abe
Revolta dos caminhoneiros
25/11/2014 - Por Tetsuro Hori
Por que privatizar o sistema de transporte de massa e quais são os principais benefícios
11/04/2014 - Por Walter Ihoshi
A internet e o futuro de um mundo conectado
10/01/2014 - Por Junji Abe
Ranking do Progresso
18/10/2013 - Por Hélio Nishimoto
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki
14/08/2013 - Por Hatiro Shimomoto
Bons usos e costumes
para o Brasil
20/07/2013 - Por Walter Ihoshi
Santas Casas na UTI
05/06/2013 - Por Lizandra Arita
Dia das Mães:
Q ue tipo de mãe é você?
19/04/2013 - Por Kunihiko Chogo
Adaptando-se ao jeito
brasileiro de ser
08/12/2012 - Por Keiko Ota
Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência
13/10/2012 - Por Walter Ihoshi
A importância da transparência dos impostos
Por Teruo Monobe
Inflação
Por Teruo Monobe
Equilíbrio fiscal
Por Teruo Monobe
Balança comercial
Por Teruo Monobe
Brasil caro
Por Teruo Monobe
O que se passa
na economia global
Por Teruo Monobe
Discurso de posse
Por Teruo Monobe
2011 e o longo prazo
Por Teruo Monobe
Ano-Novo, tudo
novo em 2011
Por Teruo Monobe
A volta do ouro
Por Teruo Monobe
Novo governo, velho problema
Por Teruo Monobe
Natal gordo
Por Teruo Monobe
Novamente, a Europa em crise
Por Teruo Monobe
Esperando o Plano Dilma

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo