Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Quinta-feira, 21 de setembro de 2017 - 2h10
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Opinião - 18/10/2013 - NippoBrasil
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki

Hélio Nishimoto*

Há exatamente 68 anos, nos dias 6 e 9 de agosto de 1945, as cidades japonesas Hiroshima e Nagasaki foram arrasadas por bombas atômicas, lançadas por aviões norte-americanos, matando, na hora, mais de 130 mil pessoas nas duas cidades. No final daquele ano, 145 mil pessoas haviam morrido em Hiroshima e 75 mil em Nagasaki.

As consequências foram desastrosas. Com um incomensurável poder de destruição, as bombas atômicas não só destruíram seus alvos como provocaram danos à saúde dos sobreviventes e também das gerações seguintes, que convivem com o receio permanente de doenças causadas pela exposição às radiações. Ainda hoje, a ciência e a medicina buscam respostas definitivas sobre os efeitos causados pela radiação das bombas de Hiroshima e Nagasaki.

Sobrevivente da tragédia de Hiroshima, Takashi Morita (89), na época com 21 anos, era um jovem policial militar. Ele conta que na hora da explosão, às 8h15min, fazia ronda na rua e que só por milagre não morreu. Pois que estava a uns 1.300 metros do epicentro da explosão que devastou tudo: casa, poste, calçada, ruas e bairros inteiros. “Uma imagem de horror que não vou esquecer jamais”, conta ele.

Em 1956, Morita-san, como é chamado pelos amigos, imigrou para o Brasil com a esposa Ayako e dois filhos (Yassuko e Tetsuji) e começou a trabalhar como relojoeiro em São Paulo.

Em 1984, sentiu necessidade de lutar pelas vítimas da bomba atômica no Brasil e fundou a Associação Hibakusha Brasil pela Paz (hibakushabrasil@gmail.com) , que começou com 27 membros, alcançando, anos depois, 241. Atualmente, são 112, com idade média de 78 anos. Entre eles estão um coreano e cinco brasileiros, descendentes de japoneses que estavam naquelas cidades no dia da explosão das bombas.

“A luta da associação é fazer com que o Governo do Japão olhe e cuide das vitimas da bomba atômica, independentemente do país onde elas residam. Nesses quase 30 anos de luta, a associação, que mantém contato com entidades de outros países, como os Estados Unidos e a Coréia do Sul, já obteve alguns avanços, como uma ajuda para exames médicos”, diz Morita.

No Japão, as vítimas da bomba atômica têm ajuda médica gratuita e o governo realiza ainda um check-up para monitorar os efeitos da radioatividade.

Mundo de paz

Com o objetivo de despertar e conscientizar as novas gerações sobre a necessidade do desarmamento nuclear e impedir a construção de usinas nucleares, Takashi Morita é constantemente convidado a ministrar palestras no país. Ele alerta os governantes sobre os perigos da radiação nuclear e cita o exemplo de Chernobil e mais recentemente o da usina de Fukushima, cujos efeitos ainda são desconhecidos, sugerindo que a humanidade procure fontes de energia limpa, que não
comprometem o futuro do Planeta.

No Brasil, a Associação Hibakusha Brasil pela Paz mantém contato com outras entidades de vítimas de contaminação radiotiva, como a do césio 137 de Goiânia e a da Nuclemon, em Santo Amaro, na capital Paulista. Recentemente, esteve com a associação de moradores de Angra dos Reis (RJ), que convive com o temor das suas usinas nucleares.

Em 2011, a Escola Técnica de Santo Amaro recebeu o nome de Takashi Morita. Essa escola conta com fotos e um painel de mensagens de agradecimento dos sobreviventes às novas gerações de brasileiros para que o legado de Hiroshima e Nagasaki não seja esquecido.

Tragédias assim, nunca mais.


*Hélio Nishimoto, deputado estadual de São Paulo
 Coluna: Opinião
23/11/2016 - Por Junji Abe
Tite, Temer e o Brasil
20/10/2016 - Por Junji Abe
Imposto mata o Brasil
30/08/2016 - Por Junji Abe
Legado dos Jogos Olímpicos
27/06/2016 - Por Junji Abe
Novos desafios
21/06/2016 - Por Junji Abe
Gênero de 1ª necessidade
20/05/2016 - Por Junji Abe
Missão do presente
04/04/2016 - Por Junji Abe
Melhor qualidade de vida
18/03/2016 - Por Junji Abe
Geração perdida
17/02/2016 - Por Walter Ihoshi
Não podemos jogar a tolha
30/12/2015 - Por Junji Abe
Trio do bem
27/11/2015 - Por Junji Abe
Lama da morte
29/09/2015 - Por Junji Abe
Resgate da policultura
14/09/2015 - Por Junji Abe
Terrorismo tributário
12/06/2015 - Por Junji Abe
Dignidade das domésticas
30/04/2015 - Por Junji Abe
Alerta aos aposentados
26/03/2015 - Por Junji Abe
Chega de imediatismo no Brasil
05/03/2015 - Por Junji Abe
Revolta dos caminhoneiros
25/11/2014 - Por Tetsuro Hori
Por que privatizar o sistema de transporte de massa e quais são os principais benefícios
11/04/2014 - Por Walter Ihoshi
A internet e o futuro de um mundo conectado
10/01/2014 - Por Junji Abe
Ranking do Progresso
18/10/2013 - Por Hélio Nishimoto
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki
14/08/2013 - Por Hatiro Shimomoto
Bons usos e costumes
para o Brasil
20/07/2013 - Por Walter Ihoshi
Santas Casas na UTI
05/06/2013 - Por Lizandra Arita
Dia das Mães:
Q ue tipo de mãe é você?
19/04/2013 - Por Kunihiko Chogo
Adaptando-se ao jeito
brasileiro de ser
08/12/2012 - Por Keiko Ota
Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência
13/10/2012 - Por Walter Ihoshi
A importância da transparência dos impostos
Por Teruo Monobe
Inflação
Por Teruo Monobe
Equilíbrio fiscal
Por Teruo Monobe
Balança comercial
Por Teruo Monobe
Brasil caro
Por Teruo Monobe
O que se passa
na economia global
Por Teruo Monobe
Discurso de posse
Por Teruo Monobe
2011 e o longo prazo
Por Teruo Monobe
Ano-Novo, tudo
novo em 2011
Por Teruo Monobe
A volta do ouro
Por Teruo Monobe
Novo governo, velho problema
Por Teruo Monobe
Natal gordo
Por Teruo Monobe
Novamente, a Europa em crise
Por Teruo Monobe
Esperando o Plano Dilma

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

122 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases