Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Terça-feira, 12 de dezembro de 2017 - 20h00
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 161 - 12 a 18 de junho de 2002
Ryuhyoo: O gelo navegante de Hokkaido

A proa do navio Aurora abrindo fendas no gelo
 

Nas janelas do navio quebra-gelos os turistas deliram com as placas de gelo sendo quebradas

(Reginaldo Okada)

Abashiri - Lá em cima no mapa do Japão, encostado no litoral norte de Hokkaido, o mar trinca de frio durante o inverno e fica coberto por uma camada branca até o ponto em que a linha do horizonte enrosca nos olhos.

O Mar Okhotsk, localizado entre Hokkaido e Rússia, não chega a ter iceberg durante o inverno, mas os blocos que se formam nas suas águas podem atingir até dez metros de altura, e pesar toneladas. Em japonês, são chamados de ryuhyoo, que poderia ser traduzido como gelo navegante. A razão desse nome é porque eles “nascem” ainda em águas territoriais russas, a partir de dezembro, e chegam trazidos pelo vento e pela correnteza até as costas de Hokkaido.

As condições geográficas da região, cercada por ilhas enfileiradas, constituem-se em uma espécie de barreira de contenção e impedem que os blocos se dispersem. Em meados de março eles atingem o seu ponto máximo de ocupação, aproximadamente 1.252.500 quilômetros quadrados, e só vão derreter completamente por volta do mês de junho.


Detalhe da proa do barco Garinko-go 2, rompendo o gelo
 
 

Vida Marinha
Navios e barcos fazem passeios turísticos em mar congelado


Cozido de frutos do mar, uma
boa pedida em Hokkaido

O alto grau de congelamento do Mar Okhotsk é devido à grande quantidade de água doce que o rio Amuru, depois de percorrer 4.350 quilômetros no continente russo, despeja no litoral. Essa água, por ser menos densa que a salgada, permanece na superfície e possui maior facilidade em atingir o ponto de condensação, formando placas de gelo que chegam a uma espessura média de um metro no norte do Mar Okhotsk e 40 a 50 centímetros próximo a Hokkaido. Mas elas não são tão sólidas quanto o gelo que é produzido nos congeladores caseiros. No processo de condensação o sal é expelido ou se acumula formando bolhas dentro do bloco, o que os torna porosos e menos compactados.

Os ryuhyoo são responsáveis pela grande proliferação de vida marinha nessa região. O resfriamento que causam na água da superfície do oceano faz com que elas fiquem mais pesadas e afundem, trocando de lugar com a água com temperaturas mais altas que estão embaixo. Esse fenômeno provoca uma movimentação nas camadas mais profundas do mar trazendo para cima minerais que vão servir como nutrientes para os plânctons, a base da cadeia alimentar marinha. A relação é facilmente comprovada nos anos em que os ryuhyoo não chegam até Hokkaido, ou ficam pouco tempo. Nessas épocas, diminui consideravelmente a quantidade de peixes e outros frutos do mar pescados na região.

Durante o trajeto do passeio de barco dá para se ter uma idéia dessa riqueza vendo os numerosos bandos de pássaros que pescam nessas águas e, com um pouco de sorte, até é possível cruzar com algumas focas preguiçosas estiradas sobre os ryuhyoo.

Os produtos marinhos do Mar Okhotsk fazem de Hokkaido um dos lugares mais atraentes do país quando o assunto é gastronomia. Muito famosos são os seus caranguejos, entre eles o tarabagani, o gigante que chega a medir mais de um metro de ponta a ponta de suas patas, os camarões, o hotate (vieira) e uma grande variedade de peixes.


Turistas caminham sobre o mar congelado na cidade de Abashiri


A torre Okhotsk: mirante e aquário “inverso”

Okhotsk Tower

Em Mombetsu, ao lado do porto onde parte o quebra-gelos Garinko-go 2, se pode visitar a Okhotsk Tower, uma torre construída dentro do mar. Dos três andares superiores se tem uma visão de 360º da paisagem, além de exposições de audiovisuais e equipamentos informativos relacionados a essa região. Existe mais um pavimento submerso, a sete metros e meio abaixo do nível do mar, que pode ser considerado um aquário invertido. O visitante é que fica entre os vidros e os animais marinhos em mar aberto. Quando os blocos de gelo chegam às proximidades, é possível enxergá-los por baixo d’água.(Colaborou Satomi Shimogo)

 
 Arquivo - Turismo Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 216
• Iwate
ARQUIVO - EDIÇÃO 214
• Ilha de Sado
ARQUIVO - EDIÇÃO 211
• Hokkaido - Tudo começou em Naka Furano
ARQUIVO - EDIÇÃO 208
• Kansai - Redescobrindo as belezas da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 205
• Soka
ARQUIVO - EDIÇÃO 202
• Hirakata
ARQUIVO - EDIÇÃO 199
• Niigata
ARQUIVO - EDIÇÃO 197
• Tohoku
ARQUIVO - EDIÇÃO 195
• Tóquio e arredores: belezas que encantam
ARQUIVO - EDIÇÃO 193
• Chugoku-Shigoku: O coração do Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 191
• Okinawa: Uma região de paraísos subtropicais
ARQUIVO - EDIÇÃO 189
• Nagasaki - O berço cristão japonês
ARQUIVO - EDIÇÃO 187
• Shimabara
ARQUIVO - EDIÇÃO 185
• Tottori: O Saara japonês
ARQUIVO - EDIÇÃO 183
• Matsue - A herança intacta dos samurais
ARQUIVO - EDIÇÃO 181
• Chiba conserva folclore cultural da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 179
• Okutama: Refrescando-se nas montanhas
ARQUIVO - EDIÇÃO 177
• Mito: A cidade de um dos mais belos jardins japoneses
ARQUIVO - EDIÇÃO 175
• Izu - O paraíso das águas
ARQUIVO - EDIÇÃO 173
• Kyoto: Cenário de três mil templos
ARQUIVO - EDIÇÃO 171
• Chindon-ya
ARQUIVO - EDIÇÃO 169
• Toyama no Kusuri
ARQUIVO - EDIÇÃO 167
• Sensooji o templo do Carnaval
ARQUIVO - EDIÇÃO 165
• Odaiba: a face futurista de Tóquio
ARQUIVO - EDIÇÃO 163
• Todaiji: o templo do grande Buda de Nara
ARQUIVO - EDIÇÃO 161
• Ryuhyoo: O gelo navegante de Hokkaido
ARQUIVO - EDIÇÃO 159
• Hokkaido, o inverno mais gelado do Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 134
• Yamanashi:
A Terra dos Lagos
ARQUIVO - EDIÇÃO 130
• Okayama
ARQUIVO - EDIÇÃO 128
• Osaka
ARQUIVO - EDIÇÃO 126
• Okinawa: Ryukyu, Soberano dos Mares do Sul
ARQUIVO - EDIÇÃO 124
• Kamakura
ARQUIVO - EDIÇÃO 122
• Monte Fuji e os Cinco Lagos
ARQUIVO - EDIÇÃO 120
• Nikko: A Cidade dos Santuários
ARQUIVO - EDIÇÃO 118
• Parques Temáticos
ARQUIVO - EDIÇÃO 116
• Hakone - A região dos vales fumegantes
ARQUIVO - EDIÇÃO 114
• Iwate
ARQUIVO - EDIÇÃO 108
• A atraente ilha de Sado
ARQUIVO - EDIÇÃO 106
• Hokkaido
ARQUIVO - EDIÇÃO 104
• Kansai: Redescobrindo as belezas da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 101
• Soka: Industrialização traz rápido progresso à cidade

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

116 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases