Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Quarta-feira, 14 de novembro de 2018 - 18h14
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2018
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


 
Belém: capital da fé

Em outubro acontece o Círio de Nazaré que reúne mais de dois milhões de fiéis em romaria de barcos e procissão. A festa também tem seu lado profano com músicas e comidas típicas

 

(Arquivo NB)

Em 1791, o então presidente da província do Pará, Capitão-mor Dom Francisco de Souza Coutinho, comunicou aos moradores da região que pretendia organizar uma feira dois anos depois. Em junho de 1793, porém, uma inesperada doença colocou seu plano em risco. Temendo pelo fracasso do evento, Coutinho fez uma promessa: se conseguisse se recuperar a tempo, levaria a imagem de Nossa Senhora de Nazaré até o Palácio do Governo e, de lá, até uma pequena igreja local. Pedido feito, pedido atendido. E como bom devoto, em 8 de setembro daquele ano cumpriu a promessa. Naquela quarta-feira acontecia o 1º Círio de Nazaré.

Um dos maiores eventos religiosos do Brasil, famoso pelas velas e pela corda de 400 metros carregada pelos peregrinos, a Festa da Rainha da Amazônia reúne anualmente em Belém, no segundo domingo de outubro, mais de dois milhões de fiéis. Desses, metade são turistas. Pessoas de todos as idades percorrem os 4,5 km da grande procissão – realizada na manhã de domingo -, entre a Catedral da Sé e a Basílica de Nazaré. Na chegada, é rezada uma missa, durante a qual são feitos pedidos e agradecimentos à santa.

O Círio, no entanto, não se resume apenas à procissão dominical. Um dia antes, uma romaria fluvial que sai da Vila de Icoaraci conduz a imagem de Nossa Senhora até o porto de Belém. Há, ainda, o chamado lado profano do evento, com festas embaladas por música e comida típicas. O destaque fica para a “Festa da Chiquita”, realizada no centro de Belém. Nela, os fiéis se transformam em foliões, entregando-se à dança e à paquera.

Passada a diversão, no 4º domingo de outubro acontece o Recírio, quando a imagem de Nossa Senhora de Nazaré é levada em discreto cortejo à capela do Colégio Gentil Bittencourt, de onde saiu para a procissão do Círio

 

Coração da Amazônia


Feliz Lusitânia relembra a colonização portuguesa

A Cidade
Fundada em 12 de janeiro de 1616, a capital paraense reúne cultura e beleza em seus mais de 505 mil km² de área. De clima quente e úmido – com temperatura média de 25ºC -, registra alto índice de chuvas. Nem por isso deixa de ser visita obrigatória a quem viaja ao Norte do Brasil.

Para quem procura um pouco de história, uma boa pedida é passear pela Cidade Velha, o primeiro bairro da cidade. Lá, nota-se a herança da colonização portuguesa ao se observar a arquitetura de antigos casarões, igrejas e palacetes. No local também estão baseados a Igreja de Santo Alexandre e o Museu de Arte Sacra. Um pouco mais adiante situa-se o Theatro da Paz, construído em 1878 e reinaugurado no ano passado com suas ricas feições originais.


O Theatro da Paz foi construído em 1878

Além dos redutos históricos, Belém atrai por sua culinária. Com cheiros e sabores peculiares, a cozinha regional é uma das mais exóticas do País. Destaque para o pato no tucupi, o tacacá (caldo de mandioca) e a maniçoba, prato à base de folha de mandioca e carne de porco. Como sobremesa, os nacionalmente conhecidos açaí e cupuaçu, dois dos principais frutos cultivados no Pará.

Docas
Diversão e cultura estão atracadas na Estação das Docas, inaugurada no ano 2000. Transformada em pólo turístico, a área é formada por 33 pontos comerciais. Dividida em galpões, conta, entre outros atrativos, com quatro bulevares: o das Artes (galpão 1), o da Gastronomia (galpão 2), o de Feiras e Exposições (galpão 3) e no quarto funciona o terminal de passageiros do Amazon River, uma balsa de 671 m² projetada especialmente para a estação fluvial turística das Docas.


À noite a badalação acontece nas Docas


Praias de água doce. E com ondas


A Praia do Mosqueiro é uma das 27 da região

A menos de uma hora de carro de Belém, Mosqueiro também é conhecida por “Ilha do Amor”. Cercadas pela Baía do Guajará, as 27 praias da região sofrem influência das marés, o que provoca a formação de ondas.

Como quase todos os principais redutos turísticos de Belém, o local também tem importância histórica. Em função dos primeiros habitantes de Mosqueiro terem sido colonizadores portugueses, ainda no século XVIII, a catequização impôs casamentos interétnicos, entre europeus e índios. Daí surgiram alguns dos nomes das praias da região, como Chapéu Virado e Murubira (que significa homem forte), heranças portuguesa e indígena, respectivamente.


A maior feira livre da América Latina

Belém também figura como reduto da maior feira livre da América Latina. Trata-se do Ver-o-Peso, surgido em 1688 como um posto de fiscalização, tributos e pesagem dos produtos comercializados na região. Considerado cartão postal da cidade, o local é candidato ao título de patrimônio da humanidade.

Situado às margens da Baía de Guajará, o complexo compreende os Mercados de Ferro e de Carne, a Doca, as praças do Relógio e do Pescador, a Feira do Açaí, a Ladeira do Castelo – a primeira rua de Belém – e o Solar da Beira. Lá, são comercializadas ervas medicinais, raízes aromáticas e plantas ornamentais famosas por todo o País em função de seus atributos místicos e curativos.


Arquivo NippoBrasil - Edição 225 - 24 a 30 de setembro de 2003
 Arquivo - Turismo Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 225
• Belém: capital da fé
Arquivo NippoBrasil - Edição 224
• Litoral norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 223
• Região dos Lagos
Arquivo NippoBrasil - Edição 221
• Paraty: diversão para toda família
Arquivo NippoBrasil - Edição 219
• Circuito Histórico de Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 218
• Atibaia
Arquivo NippoBrasil - Edição 217
• Foz do Iguaçu: Beleza dividida
Arquivo NippoBrasil - Edição 215
• Divirta-se nos arredores de São Paulo
Arquivo NippoBrasil - Edição 212
• Um passeio nas alturas da Serra da Mantiqueira
Arquivo NippoBrasil - Edição 210
• Onsens: Estâncias termais que garantem relaxamento e diversão
Arquivo NippoBrasil - Edição 209
• Ilha Grande
Arquivo NippoBrasil - Edição 207
• Poços de Caldas: O santuário da paz
Arquivo NippoBrasil - Edição 206
• Circuito das águas mineiro
Arquivo NippoBrasil - Edição 204
• Redescobrindo o Litoral Sul de SP
Arquivo NippoBrasil - Edição 203
• Serras Gaúchas
Arquivo NippoBrasil - Edição 201
• Socorro abre a porteira para o turismo
Arquivo NippoBrasil - Edição 200
• Circuito das águas
Arquivo NippoBrasil - Edição 198
• Santos: Muito além do Jardim
Arquivo NippoBrasil - Edição 192
• Maranhão, o segredo do Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 190
• Histórias do Grande Sertão Veredas em Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 188
• Turismo ecológico no Rio Grande do Norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 184
• Península de Maraú: uma delícia baiana
Arquivo NippoBrasil - Edição 180
• Pirenópolis, um pedaço do Cerrado Brasileiro
Arquivo NippoBrasil - Edição 176
• Parque Nacional da Chapada Diamantina, natureza em abundância
Arquivo NippoBrasil - Edição 174
• Santa Catarina é só festa
Arquivo NippoBrasil - Edição 172
• Turismo Cultural em Paranapiacaba
Arquivo NippoBrasil - Edição 170
• Parque Nacional da Bocaina: Natureza e sossego em abundância
Arquivo NippoBrasil - Edição 168
• Maringá: Os encantos da “Cidade Verde”
Arquivo NippoBrasil - Edição 166
• Águas de São Pedro, um pequeno paraíso no interior de São Paulo
Arquivo NippoBrasil - Edição 162
• Santo Amaro da Imperatriz, águas termais e aventura em Santa Catarina
Arquivo NippoBrasil - Edição 158
• Amazônia com conforto
Arquivo NippoBrasil - Edição 136
• Fernando de Noronha: Patrimônio Natural da Humanidade
Arquivo NippoBrasil - Edição 132
• Ilhabela: O encanto do litoral paulista
Arquivo NippoBrasil - Edição 131
• Porto Seguro: Praia de Santo André
Arquivo NippoBrasil - Edição 127
• Ecoturismo: Uma visão diferente de Santa Catarina
Arquivo NippoBrasil - Edição 123
• Araxá
Arquivo NippoBrasil - Edição 115
• Costa do Sauípe: Lazer, Paisagem e Comodidade
Arquivo NippoBrasil - Edição 113
• Caldas Novas: Opção para se esquentar no inverno
Arquivo NippoBrasil - Edição 111
• Pescaria: Os encantos da natureza são infindáveis

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2018 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

158 usuários online