Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Terça-feira, 20 de agosto de 2019 - 5h10
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Três grandes personalidades
marcantes da era Meiji

Yukichi Fukuzawa na cédula de dez mil ienes introduziu o pensamento ocidental no Japão
 
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

Sabem quem são os personagens que aparecem na notas japonesas? O pensador Yukichi Fukuzawa aparece na nota de dez mil ienes, o pedagogo Inazo Nitobe na de cinco mil ienes, e o escritor Soseki Natsume na de mil ienes. Os três foram homens de grande destaque na era Meiji, período em que o Japão passava por grandes mudanças sociais e uma fase de modernização.

Porém, os personagens das notas japonesas, que circulam desde 1984, serão substituídos em março do próximo ano. Somente a nota do personagem Fukazawa continuará em circulação na nota de dez mil ienes. Nitobe e Natsume serão substituídos respectivamente, pela escritora Ichiyo Higuchi e o doutor Hideyo Noguchi.


Promotor da ocidentalização

Yukichi Fukuzawa (1835-1901) foi quem introduziu as instituições e os pensamentos ocidentais para modernização do Japão no final do século XIX. Viajou aos Estados Unidos e Europa, onde conheceu as bases da sociedade moderna.

Nascido em Osaka, foi filho de um samurai de uma casta inferior e desde pequeno teve consciência da desigualddade social em que vivia. Na era Edo, as classes sociais eram definidas entre samurais, agricultores, artesãos e os comerciantes.

Por isso Fukuzawa escreveu no seu livro “O Estímulo do Aprendizado” uma de suas frases mais famosas, que resume o seu sentimento social: “O céu não foi criado para nenhum homem superior ou inferior a outro”. Em 1868 fundou a escola Keio, a atual Universidade de Keio, onde ensinou o idioma inglês e criou uma classe para os estudantes conhecerem o funcionamento das instituições ocidentais.

Fukuzawa não somente pôs ênfase para que o Japão aprendesse os sistemas ocidentais, como incentivou a separação de assuntos asiáticos para que se unissem mais aos países civilizados ocidentais. “ Devemos tratar com os países asiáticos exatamente como fazem os países ocidentais”., escreveu em seu livro “Apartase da Ásia”.

A fim de seguir opinando de forma independente, nunca trabalhou na política e se dedicou a difundir seus pensamentos e educar os jovens. Não obstante, o governo Meiji seguiu o caminho da Oci-dentalização e isto repercutiu na mentalidade do povo japonês da era moderna.


Marco da mentalidade japonesa

Inazo Nitobe é conhecido como o autor do livro “Bushido, A Alma do Japão”. Nitobe (1862-1933), nascido em Iwate, estudou Agronomia e Economia nos Estados Unidos e Alemanha, casando-se com uma norte-americana.

Tinha muitos amigos estrangeiros. Um dia, Nitobe estava conversando com um belga que lhe perguntou se o sistema japonês abordava a educação espiritual. O japonês pôs se a pensar e respondeu que entre os séculos XVII e XIX, o que havia configurado a espi-ritualidade do povo japonês não havia sido tanto a religião, mas sim o bushido, “ o caminho do samurai”.

Isto fez Nitobe escrever um livro em inglês para explicar aos estrangeiros, por exemplo, porque os japoneses optam pelo suicídio frente a um problema. “Bushido, A Alma do Japão” foii publicado em 1900 e, Nitobe explica o seppuku, uma das formas de auto-punição que existia, e podia explicar em parte a conduta do japonês em relação ao suicídio. “Foi um invento medieval pelo qual os guerrreiros expiavam seus delitos, ofere-ciam suas desculpas, evitavam a vergonha, se redimiam a seus amigos e provavam sua sinceridade.”

Ainda se dedicou à educação, sendo professor das Universidades de Quioto e de Tóquio, entre outras, e contribuiu para o desenvolvimento da educação feminina. Nitobe voltou seus esforços à comunidade internacional até a sua morte. Foi vice-secretário geral da Liga das Nações de 1920 até 1926, trabalhando para a Paz Mundial. Quando faleceu, em 1933, estava no Canadá para assistir a uma Cônferência Internacional do Pacífico.


Grande escritor

O célebre escritor Soseki Natsume (1867-1916), o oitavo filho de sua família, foi entregue para adoção a uma poderosa família de Shinjuku (Tóquio) quando tinha um ano. Oito anos depois, os pais adotivos divorciaram-se e Soseki voltou à casa de seus pais biológicos com a sua mãe adotiva. Além do que, seu pai adotivo considerava Soseki um estorvo, algo que posteriormente incluiu em uma obra.

Depois de estudar Literatura Inglesa na Universidade Imperial de Tóquio, foi professor de inglês em escolas secundárias. Foi enviado a um colégio em Matsuyama (Ehime) e sua própria expe-riência ali converteu-se posteriormente em sua famosa obra “Botchan”. É a história de um jovem maestro de Tóquio que viaja para Matsuyama, onde é vítima de toda sorte de travessuras por parte dos estudantes, assim como de intrigas por parte dos maestros da província.

Em 1900, o Ministério da Educação lhe concedeu uma bolsa de estudos de dois anos para o estudo de métodos de ensino da língua inglesa na Universidade de Londres (Grã Bretanha). Durante esta época, Natsume sofreu com as dificuldades por falta de dinheiro, saudades e depressão.

Pouco após regressar ao Japão, deixou de lecionar e começou a escrever. Em 1905 lançou sua primeira primeira novela “ Sou um Gato”, e logo em seguida outras treze novelas como “Sanshiro” e “Kokoro”.


Arquivo NippoBrasil - Edição 201 - 9 a 15 de abril de 2003
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)
Arquivo Nippo - Edição 143
Otearai, toalete
Arquivo Nippo - Edição 141
Myoji - Sobrenome Japonês
Arquivo Nippo - Edição 139
Saquê, bebida milenar
Arquivo Nippo - Edição 137
Seijinshiki, a Cerimônia da Maioridade
Arquivo Nippo - Edição 135
Oshogatsu - Ano Novo
Arquivo Nippo - Edição 133
Festival dos Guerreiros de Akoo
Arquivo Nippo - Edição 131
Livros japoneses
Arquivo Nippo - Edição 129
Ryokan, hospedaria estilo japonês
Arquivo Nippo - Edição 127
Yookai: Monstros e fantasmas

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

87 usuários online