Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Terça-feira, 20 de agosto de 2019 - 5h08
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Kiriko (Vidros laminados)
 
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

Continuam os dias quentes. Utilizando recipientes de vidro nas refeições para atenuar a falta de apetite provocada por esse calor e ressaltar o frescor, além de embelezar a apresentação, temos a impressão de que até melhora o apetite. No Japão também há uma refinada técnica de lapidação de belos cristais, nada inferior aos cristais de Baccarat, mundialmente conhecidos.


O que é Kiriko de Edo?

O vidro já existia no Japão desde antigüidade. Surgiram no século 13 também os vidros coloridos, mas, em detrimento da cerâmica, não foram produzidos em grande quantidade. Adentrando no século 17, com a chegada de técnicas do Portugal e da Holanda, foram produzidos os cristais de chumbo, surgindo assim o vidro incolor e transparente, sendo então fabricado como um produto de alto luxo. No século 19 iniciaram-se principalmente em Edo e Satsuma as técnicas de lapidação em vidro, surgindo então um grupo de profissionais denominados de artesãos do vidro. No século 20 passaram a ser produzidos objetos de vidro por sistema de automação.

Kiriko consiste na técnica de lapidação de vidros, sendo iniciado por um artesão de Edo chamado Kagaya no Kyuubei. Ele aprendeu as técnicas avançadas de fabricação de vidro em Nagasaki e Osaka, onde havia conhecimentos mais avançados. Com experiência, abriu uma casa de vidros em Edo, passando a produzir óculos, termômetros, densímetros, etc.

Em 1834, Kyuubei conseguiu com sucesso produzir um recipiente de vidro com superfície trabalhada, utilizando um esmeril, o que foi considerado o início de kiriko de Edo. A técnica de Kiriko de Edo está hoje presente na vida das pessoas em forma de taças para saquê, copos para água, pratos e utensílios para cerimônias de chá, como um dos tradicionais artesanatos do Japão. Os desenhos são geralmente de plantas estilizadas (crisântemos ou folhas de cânhamo) ou ainda estampagem de objetos de uso cotidiano como trançados de balaios, paliçadas, treliças, etc.

Kiriko de Edo utiliza uma técnica em que cobre uma camada de vidro transparente com outra de vidro colorido, como vermelho, azul-violeta, violeta, verde, azul, esculpindo sobre ele. Atualmente a lapidação é feita com brocas elétricas, mas antigamente eram utilizadas máquinas movidas principalmente à força humana ou de moinho d’água. As lapidações são profundas, nítidas e vistosas.

Um copo para saquê custa em torno de 5 mil ienes e pratos podem ser adquiridos a partir de aproximadamente 15 mil ienes.


Kiriko de Satsuma

Em 1840 a China perde a Guerra do Ópio. Os feudos do Japão, que se sentiram ameaçados, se vêem obrigados a fortalecer as economias do país e as forças bélicas, adotando medidas de fomento industrial. Especialmente Shimazu Nariakira, senhor feudal de Satsuma, construiu na periferia de Kagoshima uma região industrial chamada Shuseikan, onde instalou forno de revérbero necessário para fabricação de canhões, forno de fundição, fábrica de vidros, etc.

Dizem que o início de Satsuma Kiriko se deu quando em 1846 foi chamado de Edo um profissional em vidros de Kagaya para fabricar recipientes para remédios e outras vasilhas. Ele passou a fabricar visando exportação como produto especial do feudo, tendo no auge cerca de 100 funcionários. Entretanto, a fábrica foi destruída num incêndio no final do período feudal, após funcionar por um curto período de algumas dezenas de anos, não sendo reconstruído após isso. Devido a isso, objetos em Satsuma Kiriko da época são considerados de antiquário, sendo de difícil alcance para os populares devido ao seu preço.

A grande peculiaridade de Satsuma kiriko é a técnica chamada de bokashi (esbatimento de cores) em que se produz uma graduação de cores. Cobrindo uma camada de cristal transparente com uma camada espessa (1 a 3mm) de vidro colorido e esculpindo em ângulos rasos, a linha divisória entre as duas camadas ficam pouco nítidas gerando um efeito de graduação de cores. Assim se realiza a técnica chamada de bokashi. As seis cores que mais realçam esta técnica são: o vermelho, o vermelho-dourado, o anil, o verde, a violeta e o amarelo.

Deve ser maravilhoso utilizar nas refeições recipientes de kiriko, com belas cores e lapidações. O Museu de Arte Suntory em Tóquio possui a maior coleção dessas obras de arte. Visite-o sem falta quando estiver no Japão.


Arquivo NippoBrasil - Edição 199 - 26 de março a 1 de abril de 2003
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)
Arquivo Nippo - Edição 143
Otearai, toalete
Arquivo Nippo - Edição 141
Myoji - Sobrenome Japonês
Arquivo Nippo - Edição 139
Saquê, bebida milenar
Arquivo Nippo - Edição 137
Seijinshiki, a Cerimônia da Maioridade
Arquivo Nippo - Edição 135
Oshogatsu - Ano Novo
Arquivo Nippo - Edição 133
Festival dos Guerreiros de Akoo
Arquivo Nippo - Edição 131
Livros japoneses
Arquivo Nippo - Edição 129
Ryokan, hospedaria estilo japonês
Arquivo Nippo - Edição 127
Yookai: Monstros e fantasmas

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

84 usuários online