Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 25 de janeiro de 2020 - 12h41
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Sekisho, os Postos de Fiscalização

Todos os viajantes precisavam do salvo-conduto para passar pela fiscalização
 
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

Com o carnaval, muitos turistas estrangeiros de todo o mundo vieram ao Brasil. Em toda viagem ao exterior, precisamos, ao entrar nos países, apresentar o passaporte ao departamento de controle de imigrantes. Antigamente, no Japão, viajar para outros feudos era como se viajássemos hoje para outros países. Tanto na entrada como na saída era necessário apresentar nos postos de fiscalização, chamados de sekisho, um salvo-conduto chamado tsuukoo tegata. Atravessar essa barreira sem tal documento era considerado um crime grave, sendo os infratores condenados à crucifixação.

Por que eram necessários os Postos de Fiscalização?

Os postos de fiscalização eram em total de 53 em todo o país, incluindo os das 5 principais estradas e demais vias. Cada feudo estabelecia suas barreiras e cobravam pedágios. O foco de atenção do governo feudal de Tokugawa nessas fiscalizações era resumido em “irideppoo to deonna”, ou seja, a entrada de armamentos em Edo e a saída desautorizada das esposas de daimiôs. Em outras palavras, esposas de daimiôs eram uma espécie de reféns para que os feudos não promovessem rebeliões. Especificamente em casos de mulheres, entravam em ação as inspetoras chamadas aratame baba para averiguá-las, e havendo suspeitas verificavam até dentro dos penteados ou despiam-nas. Obviamente existiam também as gorjetas.

De acordo com o livro “De que forma viajou Bashoo?” (Editora Shobunsha) de autoria da pesquisadora de Literatura Japonesa Kanamori Atsuko, na época, por funcionar o princípio da auto-suficiência, era rigorasamente controlado e proibido sair do próprio feudo levando produtos locais para comercializá-los em outros feudos, ou taxavam tais produtos. Provavelmente o intuito era o de proteger o know-how de cada feudo.

Ao chegar num posto de fiscalização de outro feudo, um indivíduo era obrigado a apresentar o salvo-conduto, seus pertences eram verificados e era-lhe entregue, mediante pagamento de taxa, uma autorização onde constavam o nome, identificação, finalidade da viagem e o período de permanência. Em casos de visitas a templos de Ise ou peregrinações, eram obrigados a apresentar também o dinheiro que possuíam. A finalidade disto era para utilizar em casos de doença ou morte. Caso não possuísse essa autorização, não podiam nem hospedar-se. Ao sair do feudo a autorização era devolvida. Desta forma, não era possível viajar à mercê da vontade própria.

Salvo-Conduto


Todos os viajantes precisavam do salvo-conduto para passar pela fiscalização

Os salvo-condutos continham entre outros dados o nome, local de nascimento, a finalidade da viagem e o termo de solicitação que diz não se tratar de pessoa suspeita, portanto que permitisse seguir a viagem. Dizem que também continham termos como: “no caso de morte por acidentes ou por outro motivo durante o percurso, não há necessidade de avisar à terra de origem; por não ser cristão, gostaria que sepultasse no templo da região”.


Os postos checavam a saída de armanentos dos feudos

Esses salvo-condutos eram certificados, em casos de samurais, por um alto servidor responsável pelo feudo; em casos de agricultores, por antigas prefeituras do bairro ou da vila e os moradores de Edo, pelos proprietários de terrenos. As mulheres precisavam apresentar além do salvo-conduto convencional o salvo-conduto feminino (onna sekisho tegata). Portanto, mulheres não podiam viajar despreocupadamente.

Vias ocultas de acesso

Como em qualquer época sempre existiu formas de burlar a lei, também havia um meio de passar por estradas de escape por onde não haviam postos de fiscalização. Em casos de esquecimento do salvo-conduto, ao invés de retornar para buscar o documento, era mais conveniente procurar por profissionais especialistas em liberar tais pessoas. Esta operação custava caro. Mas nem todos os 53 postos de fiscalização e barreiras eram rigorosos com os comerciantes e agricultores. Havia aqueles que nem mesmo exigiam a apresentação dos salvo-condutos.

Hoje em dia é muito mais fácil viajar pelo mundo, basta ter em mãos o passaporte.


Arquivo NippoBrasil - Edição 197 - 12 a 18 de março de 2003
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

94 usuários online