Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sexta-feira, 22 de novembro de 2019 - 8h41
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Livros editados pelos cristãos

Técnicas antigas de impressão foram desenvolvidas no Oriente e no Ocidente.
 
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

Dia 23 de Novembro é Dia Internacional do Livro. Aqui no Brasil a data também é lembrada com a realização de eventos regionais como “Bienal do Livro”, no empenho das editoras em conquistar leitores. Mas o fato de termos à nossa disposição este imenso número de livros é graças à arte da impressão. Cento e quarenta anos após Gutemberg ter inventado a impressão, a técnica ocidental chegou ao Japão. Curiosamente, na mesma época chegou da Coréia a técnica oriental de impressão calcografada.

Por que eram necessários os livros impressos?


Os primeiros livros surgiram no Japão por iniciativa dos catequizadores que pretendiam difundir o cristianismo no Oriente.

Alexandro Valignano, que cumpriu um papel fundamental na introdução da máquina impressora ocidental no Japão, havia contactado o Vaticano sobre a necessidade de uma máquina impressora para ser usada em prol dos fiéis japoneses. Transcrever livros em idioma japonês, dicionários, catequismos, e demais materiais necessários para o aprendizado do idioma japonês pelos membros da Companhia de Jesus exigia muito tempo e com o trabalho penoso, corria risco de se contrair tuberculose.

Quamdo a “Delegação Tensho de visita a Ocidente” retornou em 1590 após 7 anos, trouxe junto a máquina tipográfica. Imediatamente após a sua chegada, o trabalho de impressão se inicia. Isto ocorreu 40 anos após a divulgação do cristianismo. Os tipos em idioma japonês também foram confeccionados por seminaristas japoneses. O material utilizado foi o papel japonês e a tinta ocidental. Os primeiros livros a serem produzidos foram o: “Dotirina Kirishitan”(Doctrina Christiana fata a modo di dialogi fra il) e “Batizumo no sazukeyoo” (Doutrina de Sacramentos do Batismo e Confissão), que foram enviados ao arcebispo de Portugal. Após 400 anos de tempo decorrido, o primeiro livro encontra-se no Toyo bunko (Biblioteca do oriente) e o segundo na Biblioteca da Universidade de Tenri. São livros-relíquias, dos quais só se tem um exemplar de cada no mundo. Em todo o mundo existem 31 tipos de “Kirishitanban” (edições cristãs), num total de apenas 73 exemplares.

Quais tipos de livros foram impressos?

Segundo definição do professor Tominaga Makita, eminente estudioso das edições cristãs, os chamados “Kirishitanban” (edições cristãs) “se referem aos livros impressos no Japão, principalmente em Kyushu, por um período de aproximadamente 20 anos a partir de 1591, utilizando máquinas tipográficas ocidentais importadas ou fabricadas diretamente pela Companhia de Jesus do Japão”.

São divididas em:

1 - Kokujibon (livros em caracteres japoneses) : São os escritos em ideogramas japoneses mesclados com fonogramas ou em fonogramas hiragana e katakana. Além de assuntos religiosos, há o “Rakuyooshuu”(Dicionário de ideogramas em kanji e kana mesclados), “Wakan Rooeishuu” (coletânea de material do Japão e da China para recitação) “Taiheiki Bassui” (Escritura da História do Japão), etc.

2 - Roomajibon (livros em outro idioma) : Livros em idioma ocidental (Latim, Português, etc), especialmente livros didáticos do Latim, Livros Doutrinários, bem como livros didáticos de aprendizado de idiomas como Gramáticas e Dicionários.

3 - Kokubunsho (livros em idioma japonês escritos em alfabeto): Doutrinas, “Heike monogatari”(história do Japão: registros de batalhas), Contos de Aisopos, “Kinkushuu” (coletânea de 282 máximas selecionadas dos ensinamentos do Confúcio), e outros.

Especialmente o “Nippo jiten”(Dicionário Japonês-Português), edição Nagasaki do ano 1603 foi concluído por um padre, com a ajuda de vários japoneses, após quatro anos de trabalho, num total de 408 páginas. Dizem que é o único material que mostra como falavam os daimiôs (senhores feudais) e os populares da época. Também a “Nihon bunten” (Gramática japonesa), edição Nagasaki, de 1604, traz explicações sobre a Gramática japonesa, pelo padre João Rodrigues. Possui um alto valor, sendo o primeiro livro de gramática da língua japonesa apresentada no ocidente.

Expulsão dos cristãos

Dizem que devido a várias ordens de expulsão dos cristãos, a máquina tipográfica que chegou a Nagasaki, após ser deslocada para várias localidades de Kyushu, fora por fim devolvida para Goa, na Índia. Livros relacionados a cristianismo foram queimados ou rasgados. Iniciava-se um período de rigorosa fiscalização pelo governo Tokugawa com relação a ideologias e religiões ocidentais.

 

Arquivo NippoBrasil - Edição 183 - 27 de novembro a 3 de dezembro de 2002
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

213 usuários online