Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Terça-feira, 25 de setembro de 2018 - 14h42
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2018
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


 
Quimono
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

No dia 15 de novembro é comemorado no Japão o Shichi-go-san, que significa sete-cinco-três, e é um dia reservado para orar a Deus pelo crescimento sadio das crianças. Os familiares acompanham a visita ao templo dos meninos que irão completar 3 anos ou 5 anos e das meninas que irão completar 3 anos ou 7 anos. Antigamente havia cerimônias de kaminaoshi para deixar crescer os cabelos aos 3 anos, hakamagi aos 5 anos em que pela primeira vez os meninos vestiam a vestimenta hakama, e obitoki aos sete anos, quando pela primeira vez as meninas usavam quimono e faixa oficial.

O quimono era importante não só no “shichi-go-san”, mas em todas as ocasiões e cerimônias importantes da vida, sendo indissociável da vida dos japoneses.

A HISTÓRIA DO QUIMONO

Na era Jomon, iniciada no século 7 a.C., os japoneses vestiam o chamado kantooi, que consistia numa vestimenta do formato de um tubo com aberturas. Em seguida, no Período Yayoi, que perdurou até por volta do século 3, os homens usavam algo semelhante às calças de hoje, e as mulheres um tipo de saia longa, que faz lembrar as vestimentas ocidentais atuais.

No Período Yamato, quando ocorreu a unificação da Nação japonesa, as vestimentas adquirem aspectos semelhantes às do continente devido a influência Chinesa. Entretanto, já no Período Nara (início do século 8) surgiu um tipo de quimono mais folgado, mais apropriado ao clima do Japão. As mulheres utilizavam uma veste de mangas e barras longas que vestiam como se a sobrepusesse. Dizem que esta foi a raiz do atual quimono japonês.

No Período Heian, surgiu algo mais próximo ainda do atual quimono. As mulheres da nobreza usavam juunihitoe, que consistia em inúmeras peças de vestuário (com tecidos finos) sobrepostas. Com o início da ascendência dos Samurais no Período Kamakura, as vestes foram simplificadas devido a priorização da facilidade de movimentação.

No Período Azuchi-Momoyama surgiram peças suntuosas com estampas magníficas. Não só os nobres e samurais, como também a ascendente classe dos comerciantes começaram a mostrar seu poderio econômico. No século 17, adentrando no Período Edo, as novidades não ficaram somente nos designs e materiais utilizados em quimono e faixas; surgiram também formas diferentes e elaboradas de amarrar as faixas, penteados e acessórios. Especialmente os atores de Kabuki tiveram um papel importante nesse processo, introduzindo novas formas de expressar a feminilidade, inventando faixas largas, ora deixando-as pender atrás.

Na segunda metade do século 19, a partir da revolução de Meiji, houve uma introdução repentina de um grande volume da cultura ocidental, e com a difusão do estilo de vida ocidental, o quimono passou a ser substituído por vestimentas ocidentais. A partir de 12 de Novembro de 1871 (ano 5 Meiji), com a promulgação da lei que determinou que “a vestimenta ocidental passe a ser adotada como traje de cerimônia”, o quimono desapareceu da Secretaria da Casa Imperial.

No entanto, ainda hoje nas importantes cerimônias ou em atividades tradicionais como a cerimônia do chá, arte floral e ikebana, o quimono é o traje oficial.


No Período Yamato, os quimonos sofreram influência chinesa (à esquerda).
Já no Período Nara surgiu a vestimenta mais folgada

QUIMONO DA ATUALIDADE

Há basicamente dois tipos de quimono: os tingidos e os tecelados. Quanto aos materiais utilizados, há inúmeros. Os costumes determinavam que mangas longas fossem de uso exclusivo das solteiras e mangas curtas tipo tomesode das casadas, mas hoje em dia mesmo as casadas vestem mangas longas tal qual artistas populares.

De acordo com a estatística do ano 1999, o valor que os japoneses gastam com vestimentas é de 14 trilhões de ienes. Desse valor, os gastos com quimono e faixas não passam de 5,8%, no total de 787,7milhões de ienes, o que equivale à mesma percentagem do mercado de vestes esportivas. Há quimono de todos os preços, desde os de 20 mil ienes até os de alguns milhões de ienes.

 

Arquivo NippoBrasil - Edição 181 - 13 a 19 de novembro de 2002
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)
Arquivo Nippo - Edição 143
Otearai, toalete
Arquivo Nippo - Edição 141
Myoji - Sobrenome Japonês
Arquivo Nippo - Edição 139
Saquê, bebida milenar
Arquivo Nippo - Edição 137
Seijinshiki, a Cerimônia da Maioridade
Arquivo Nippo - Edição 135
Oshogatsu - Ano Novo
Arquivo Nippo - Edição 133
Festival dos Guerreiros de Akoo
Arquivo Nippo - Edição 131
Livros japoneses
Arquivo Nippo - Edição 129
Ryokan, hospedaria estilo japonês
Arquivo Nippo - Edição 127
Yookai: Monstros e fantasmas
Arquivo Nippo - Edição 125
Kodo - A arte de apreciar fragrâncias
Arquivo Nippo - Edição 123
Noshi - Mizuhiki
Arquivo Nippo - Edição 121
Nihon Buyou
Arquivo Nippo - Edição 119
Hashi
Arquivo Nippo - Edição 117
Karakuri Ningyou
Arquivo Nippo - Edição 115
Dia do Boi
Arquivo Nippo - Edição 113
Hinomaru
Arquivo Nippo - Edição 111
Origami: dobradura de papel
Arquivo Nippo - Edição 109
Parto

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2018 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

159 usuários online