Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Terça-feira, 21 de janeiro de 2020 - 15h45
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Colheita de Chá

Província de Shizuoka é uma das maiores produtoras de chá do Japão
 

Fotos: Divulgação / Arquivo NB

 

“88a. noite*, próximo o verão
Tenras folhas verdejantes nos campos e montanhas

Veja ali a colheita do chá
Com tasuki ** vermelho e chapéu de carriço”

* Trata-se da 88a. noite a contar do início da primavera do
calendário lunar, quando se inicia a colheita do chá.
**Tira de pano para prender as mangas da roupa.

Dizem que a colheita do chá se iniciou neste ano com um mês de antecedência, comparada aos outros anos, que ocorre em maio. Hoje em dia, a colheita é mecanizada; entretanto, antigamente apanhavam-se as folhas manualmente, como diz a canção acima. É um acontecimento poético que marca o início do verão.

A HISTÓRIA DO CHÁ
O chá foi trazido da China no século 8, em forma de sementes, pelos enviados japoneses àquele país e pelos bonzos que para lá foram para estudar. Primeiramente foi utilizado como erva medicinal, sendo produzido nos mosteiros do Zen e consumidos pelos monges e pela nobreza. Posteriormente, no Período Kamakura, o consumo do chá passou a ser uma forma de treinamento espiritual da classe dos samurais, ligada à Seita Zen. Divulgado também entre os populares, surgem até casas de chá do tipo tachiuri chaya, que serviam a bebida à beira da estrada, por 1 sen (unidade monetária) cada xícara, e onde as pessoas tomavam o chá em pé. Especialmente no início do Período Kamakura, desenvolve-se a porcelana Setoyaki, que passou a fazer sucesso como peças para chá. Segundo dizem, o hábito de ingerir chá se generalizou em todo o Japão no Período Edo.


No período Kamakura, entre os populares o chá era servido
à beira da estrada e as pessoas bebiam em pé

O SURGIMENTO DE CHADÔ (CERIMÔNIA DO CHÁ)
A partir do final do Período Kamakura, os samurais e os nobres passaram a praticar uma espécie de jogo que consistia em tomar chá e adivinhar a região onde foi produzido, apostando valores ou objetos. Chakai, ou agradáveis reuniões do povo em torno de chá, apreciadas no final do governo feudal de Muromachi, foram refinadas pela classe dos poderosos comerciantes de Sakai, Osaka, Quioto, etc., surgindo então o chadô. Sen Rikyu (1522-1591), o aperfeiçoador da cerimônia, diz: “As casas, bastam que não tenham goteiras; as refeições, bastam que não nos faça sentir fome. Este é o ensinamento de Buda, e a base da cerimônia do chá.” Desse modo, os encontros para a cerimônia do chá não ostentam luxo, sendo realizados em um pequeno cômodo com tatame , utilizando tigelas modestas de uso popular, com adornos de flores de campo, criando, assim, um ambiente de genuína beleza japonesa.

EFEITOS DO CHÁ
O chá foi utilizado também como medicamento pelo fato de conter cafeína, tanino e substância volátil aromática. Dizem que tem efeitos sedativos, diuréticos, bactericidas e serve como colírio, abaixa o teor de glicemia e tem também efeito anticancerígeno. Dizem constar dos registros que, no ano 951, quando a cidade de Quioto sofreu uma epidemia, os monges teriam distribuído chás para a população. Dizem também que as folhas do chá, após a infusão, eram secas e utilizadas como alimentos, ou também que eram utilizadas para tingimentos e até para limpeza de tatame.

ESPÉCIES DE CHÁ
As folhas de chá possuem por si só uma enzima que provoca fermentação. O que determina o tipo de chá é a ação dessa enzima no processo de fabricação. No chá verde (chá japonês) não há ação dessa enzima, já no chá woolong (chá chinês) há a ação moderada, e o chá preto é o resultado da sua ação plena. A colheita para o chá verde é feita três vezes ao ano. A colheita de maio é chamada de ichibanchá, da qual se faz o gyokuro de qualidade superior ou o matcha utilizado em cerimônia de chá. O chá da segunda colheita realizada em julho, ou nibancha , e o da terceira realizada em outubro, ou sanbancha, resultam em chá verde de qualidade inferior ou são utilizados para chá preto. O chá da terceira colheita perde em aroma e possui um sabor amargo, sendo utilizado principalmente como bancha.

REGIÕES PRODUTORAS MAIS CONHECIDAS
Desde antigamente, a mais conhecida região produtora de chá é a província de Shizuoka. De acordo com os números da produção de chá de todo o Japão, Shizuoka ocupa o primeiro lugar, seguida por Kagoshima e, depois, Mie. Com a ocidentalização dos hábitos alimentares, o consumo de café está aumentando em relação ao do chá. Mas não há nada como um chá para acompanhar um prato japonês.


Arquivo NippoBrasil - Edição 153 - 1 a 14 de maio de 2002
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

217 usuários online