Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Quinta-feira, 22 de agosto de 2019 - 19h57
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 121 - 13 a 26 de setembro de 2001
 
Nihon Buyou

Fotos: Divulgação

O buyou (dança) origina-se da reverência a divindades, das preces, como em qualquer parte do mundo. Os povos de toda a parte têm danças específicas para as passagens importantes da vida, como nascimento, casamento e morte, ou atividades periódicas, como época de semeadura, de chuvas e de colheitas e ainda de guerras e também de paz. Atualmente, não se dança em homenagem a Deus como antigamente. Em compensação, há mais danças artísticas e criativas. As danças dionisíacas são uma imitação da dança a Deus, dizem.

A palavra buyou é formada de dois ideogramas Mai e Odori, e ambos têm o mesmo significado: dançar. Mas, segundo o estudioso da língua japonesa Shinobu Origuchi, Mai tem o significado de “vagar”, de vaguear, pisando o chão num espaço determinado. Já odori está mais para pular, representando os movimentos de demônios e espíritos. O kabuki, mais apreciado pela plebe, começou a popularizar-se no século 17 (Era Edo) e foi baseado no teatro Nô, mais voltado à classe aristocrática, da Era Média. E ainda há o Mai, uma dança simplificada dos dois estilos anteriores praticada principalmente na região de Kyoto e Osaka.

Comparando-se a dança ocidental com a japonesa observa-se que a segunda centra-se principalmente na expressão corporal, enquanto o estilo ocidental privilegia os pés, os passos de dança. Cada expressão corporal tem significado próprio e está relacionado com as vozes, a letra da música e a literatura. Transformar as palavras em movimento, essa é a ordem da dança japonesa. Já no estilo ocidental, não há significado próprio em cada passo, que se relaciona com a melodia. Os movimentos são abertos. Infla-se o peito, os braços e as pernas são estendidos ao limite, distanciando-se do corpo, gira-se, cruza-se os ares, expandindo tanto o corpo quanto a alma. A dança japonesa é mais contida. Os braços e pernas são mantidos próximos ao corpo e dança-se na mesma posição. Corpo e alma são ocultos dentro de si. Uma outra característica é o uso de pequenos objetos, como leques e toalhas de rosto. Já na dança do Minyou (canção folclórica) o tempo da dança é ajustado aos movimentos do cotidiano, músicas de pescadores têm o ritmo do movimento de puxar uma rede de pesca, as de agricultores têm o ritmo dos trabalhos da plantação.

Alguns estudiosos chegam a dividir em dois estilos: o estilo aberto, relacionado aos povos nômades e o estilo contido, aos povos agrícolas.

Após a Restauração Meiji houve um declínio do buyou, mas hoje há mais de 100 tipos de escolas. Algumas com muitos discípulos como o Hanayagi-ha, Fujima-ha, Nishakawa-ha. A princesa Sayanomiya é uma excelente dançarina. No Brasil, entre os membros da colônia japonesa há muitos simpatizantes do buyou, mas o kimono (vestimenta japonesa), peruca, acessórios e apetrechos de palco são trazidos do Japão, o gasto é bem significativo. Os mestres japoneses dessa arte têm-se esforçado para sua continuidade, dedicando-se arduamente à transmissão do buyou.

 

*Esta página foi elaborada pelos professores da Aliança Cultural Brasil-Japão,
especialmente para o NIPPO-BRASIL.
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)
Arquivo Nippo - Edição 143
Otearai, toalete
Arquivo Nippo - Edição 141
Myoji - Sobrenome Japonês
Arquivo Nippo - Edição 139
Saquê, bebida milenar
Arquivo Nippo - Edição 137
Seijinshiki, a Cerimônia da Maioridade
Arquivo Nippo - Edição 135
Oshogatsu - Ano Novo
Arquivo Nippo - Edição 133
Festival dos Guerreiros de Akoo
Arquivo Nippo - Edição 131
Livros japoneses
Arquivo Nippo - Edição 129
Ryokan, hospedaria estilo japonês
Arquivo Nippo - Edição 127
Yookai: Monstros e fantasmas

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

214 usuários online