PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Segunda-feira, 11 de dezembro de 2017 - 9h24
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Caderno Entrevista

“Os japoneses desconhecem sua própria história”

Takahashi: desconhecimento dos japoneses sobre o Brasil é o mesmo de 30 anos atrás

Quem é
Nascido em Saitama, em 1950, o escritor Yukiharu Takahashi é formado em Sociologia pela Universidade de Waseda. Em 1975, esteve no Brasil para conhecer a comunidade japonesa. Ficou três anos no País, trabalhando como repórter do Jornal Paulista (atual Jornal do Nikkey), quando conheceu a esposa, Madalena.

(Reportagem e Foto: Helena Saito / ipcdigital.com)

A história dos japoneses no Brasil e dos brasileiros no Japão são temas recorrentes nas obras do escritor Yukiharu Takahashi. Autor de 30 livros, ele viaja ao Brasil a cada dois anos para rever amigos que fez quando descobriu sua fonte de inspiração inesgostável, além de visitar parentes de sua esposa Madalena, brasileira neta de japoneses, família cuja história também virou material para um obra.

Takahashi sempre se interessou por histórias humanas. O que ouve, investiga e pesquisa ele transforma em obras de não-ficção. Entre 1975 e 1978, trabalhou como jornalista em São Paulo, e sempre se encantava com as histórias que ouvia de seus entrevistados. Não se contentava em resumir tudo em um artigo de jornal. Esmiuçava tanto, que o relato virava matéria-prima de literatura. De volta ao Japão, Takahashi continua atrás de histórias. Seu livro mais recente, Nikkeijin no Rekishi wo Shiroo (Vamos conhecer a história dos nikkeis, em tradução livre), foi lançado há dois meses.

 
Entrevista

International Press: Por que resolveu escrever livros sobre a imigração?
Yukiharu Takahashi:
Minha intenção é ajudar os japoneses a conhecer a história dos imigrantes no Brasil e dar instrumentos para compreenderem os brasileiros que vieram para cá trabalhar.

IP: Como começou essa sua preocupação?
YT:
Minha mulher é brasileira. Com o movimento dekassegui, alguns parentes dela também acabaram indo para o Japão, para a região de Aichi. Quando soube que seus filhos tinham deixado de freqüentar as aulas por causa de maus-tratos, resolvi conversar com os professores. Aí, descobri que eles desconheciam a história da emigração japonesa. É lamentável! Esses professores me explicaram que, no livro didático para o chuugakkoo, há apenas uma página que trata do assunto.

IP: O que os japoneses sabem sobre imigração?
YT:
Deve haver muita gente que nem sabe que outros japoneses emigraram para o Brasil, os Estados Unidos... E, por desconhecerem essa parte da História, são incapazes de compreender os sofrimentos e as dificuldades enfrentadas pelos imigrantes.

IP: Que imagem os japoneses têm dos brasileiros?
YT:
Os japoneses ainda acham que o Brasil é um país subdesenvolvido. Chegaram a perguntar a meus parentes se eles já usavam roupas antes de virem trabalhar no Japão! Não sabem que, em São Paulo, circulam carros, que muitos moram em grandes apartamentos, levando uma vida até melhor do que a deles.

IP: Desde que o senhor começou a escrever até hoje, a sociedade japonesa mudou?
YT:
Apesar dos avanços tecnológicos, do surgimento da internet e de a informação fluir mais rápido, a situação não mudou em relação há 30 anos. Lembro-me de um caso ocorrido em 1970, em que um coreano foi aprovado no teste de admissão da Hitachi, mas a empresa lhe pediu para recusar a vaga. O caso foi parar no Tribunal como discriminação racial e foi muito noticiado. Nessa época, os coreanos enfrentavam dificuldades, como não conseguir alugar apartamentos, problema semelhante ao que brasileiros enfrentam hoje. Por esse exemplo, vemos que os japoneses, no fundo, não mudaram em nada em 30 anos.

IP: Casos de maus-tratos também são comuns entres os japoneses. Por que isso ocorre?
YT:
O japonês está sempre à procura de alguém para maltratar. Dá a impressão de que, para se sentir tranqüilo, precisa de um alvo. Os coreanos foram os primeiros, mas os alvos podem ser brasileiros, ou mesmo japoneses portadores de deficiência, considerados mais fracos.

IP: Como acabar com a discriminação?
YT:
Apesar de existirem grupos de minoria étnica, como coreanos e ainus, o Japão é considerado um país formado apenas por japoneses, é um povo de raça única. Além disso, os japoneses se consideram um povo de 1ª classe (Ittoo koku). De 2ª classe dizem que são os coreanos; e o de 3ª, os chineses. Com esse tipo de raciocínio, o preconceito racial em relação a ainus, coreanos e outros estrangeiros se mantém. Pensando em como acabar com essa situação é que decidi escrever o livro Sooboo no Daichi (1991), que retrata a história da família de minha mulher.Há um provérbio japonês que diz “Hito no fukoo wa mitsu no aji”. Quer dizer: “na infelicidade dos homens, há um sabor de mel”. No Brasil, um repórter perguntou a uma japonesa idosa o que a deixaria mais feliz e ela respondeu: “Quando o armazém do vizinho for incendiado”. Esse sentimento de ter sempre alguém por baixo para se sentir tranqüilo é também um ato de discriminação.

IP: O que o senhor quis mostrar no capítulo “Independência e dekassegui”?
YT:
Mesmo com as limitações, os imigrantes acharam importante seus filhos estudarem o português, além de japonês, o que lhe possibilitou uma ascensão na sociedade brasileira. Outro ponto que enfatizo é o significado do kanji “majiru” (misturar-se). As palavras compostas por esse ideograma, como “konzatsu” (tumulto) e “konton” (caos) possuem conotação negativa. Enquanto em palavras como “junshu” (raça pura), com o ideograma de “não se misturar”, também presente em “junsui” (pureza) e “junjyo” (ingenuidade), têm conotação boa.
Na prática, vemos que os imigrantes japoneses no Brasil tentaram não se misturar com os nativos para preservar o que achavam ser uma coisa boa. Consideravam os brasileiros gaijin (a pessoa de fora), apesar de eles serem os estrangeiros no Brasil.

IP: Dá para transformar o Japão em um país de imigrantes?
YT:
Para isso acontecer, é preciso garantir aos estrangeiros os mesmos direitos dos japoneses. Além de assegurar-lhes o emprego, é necessário dar-lhe treinamento profissional. Esse é o momento de o país abrir suas portas para culturas diversas. Tal como escreveu Tatsuzo Ishikawa (escritor, autor do livro Sooboo): “Se o Japão continuar como está, ficará órfão do mundo”, ou seja, o país estará isolado do resto do mundo.

 Arquivo - Entrevistas
• Hisashi Noguchi
“Novos caminhos devem ser procurados”
• Sachio Miura
“Doença de Chagas está na comunidade brasileira no Japão”
• Iolanda Keiko Ota
A candidata mais votada em 2010 entre os nikkeis
• Hidenori Sakanaka
“Brasileiros são importantes para o Japão”
• Keiichi Ito
Dirigente sindical defende fim das empreiteiras no Japão
• Toshiro Kobayashi
“Não se sai da crise sem mudar a postura”
• Isao Sawai
Em defesa da educação e da dignidade dos imigrantes
• Shiro Nakamoto
Japonês amortece choque em filhos de dekasseguis
• Kiyoto Tanno
Brasileiros precisam batalhar por soluções para seus problemas
• Haru Sugiyama
Falta de orgulho é problema
• Takaharu Hayashi
“Brasileiros precisam tomar uma atitude mais dinâmica”
• Kotaro Horisaka
Uma das maiores autoridades japonesas em economia brasileira
• Péricles Chamusca
Desde 2005 na J.League, o treinador baiano, que tem o respeito dos nipônicos
• Kenko Minami
Japonesa em defesa dos índios
• Yukiharu Takahashi
Escritor
• Masaru Hayakawa
Prefeito de Toyohashi
• Shigehiro Ikegami
Pesquisador
• Embaixador André Amado
“Tenho orgulho de minha gente”
• Ruth Cardoso
Respeito pelos imigrantes japoneses.

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo