PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Sábado, 25 de março de 2017 - 18h40
DESTAQUES:
Especial
Como escolher o nome em Japonês
Estação do ano, número de caracteres e situação
do nascimento são fatores avaliados na hora da escolha
 

(Reportagem: Yoko Fujino/NB)

Akiko, Michiko, Hiroshi, Kenji... mesmo depois de gerações vivendo no Brasil, os nikkeis ainda gostam de dar nomes japoneses a seus filhos. A maioria já não domina a língua dos ancestrais, porém se preocupa em perpetuar sua origem. Com tantas gerações e miscigenações entre brasileiros, muitos nikkeis, que não carregam mais um sobrenome japonês, optam por colocar uma “marca” japonesa no prenome.

O sansei Mario Nakajima não tem prenome japonês, mas o deu aos três filhos: Hitomi, Kenji e Kenzo. “Escolhemos os nomes por meio de pesquisa com parentes e amigos. O nome da minha filha, Hitomi, foi escolhido pelo significado: menina dos olhos”, explica o sansei. Recentemente, Mario recebeu uma boa notícia: a chegada da sua neta. Seu filho e a nora resolveram dar uma “estampa” japonesa para esse futuro bebê também. “Gostei muito quando me contaram que a minha neta vai se chamar Manuela Harumi. Penso que de alguma forma temos que manter um elo com nossas origens”. O filho, Marcelo Kenzo, explica que gosta de seu nome japonês desde criança, e isso influenciou na decisão. Outro fator foi a vontade de passar à sua filha o legado japonês: “Tenho o desejo de transmitir um pouco da cultura japonesa adiante, já que aqui no Brasil, devido à mistura de raças, as características físicas vão se perdendo de geração em geração”.

A escolha

A forma de escolher um nome no Japão é bastante variada. O mais comum é associar um ideograma que seu filho vai carregar pelo resto de sua vida com eventos da natureza ou acontecimentos no momento do nascimento, como nome de flores, estação do ano. Outros já preferem “imprimir” no nome qualidades que eles desejam para seu filho. Há também nomes inspirados em religião ou personalidades. Assim, uma criança que nasceu num dia de neve (yuki, em japonês) pode receber o nome de Yukiko, se menina, e Yukio, se menino. Para saber o significado, basta ver com que ideograma ele é escrito.

Modismo

Os pais não podem criar nomes só a partir de sua vontade: a legislação japonesa determina que prenomes só podem usar hiragana, katakana, alguns sinais linguísticos e de uma lista de 2.928 ideogramas. Essa lista passou por revisão recentemente, e ideogramas como “ichigo” (morango) hoje podem ser usados para compor prenomes.

Os nomes japoneses também passam por modismos. Anualmente, é divulgada pela seguradora japonesa Meiji Yasuda, a lista dos 100 nomes mais populares de meninos e meninas que nasceram naquele ano. O levantamento é feito com base nas novas inscrições de apólices feitas pelos segurados. A lista traz os nomes mais populares desde 1912, possibilitando notar os modismos ao longo de quase 100 anos: nomes como Isamu (coragem) e Masaru (vencer) eram mais populares na primeira metade da década de 1940, quando o Japão estava em meio à Segunda Guerra Mundial. Já em épocas de paz, nomes que fazem alusão a características mais sociáveis como Yuu (carinho) e Makoto (verdade, sinceridade) são mais populares, tanto para meninos como para meninas.

Acontecimentos históricos também marcam os nomes: em 1927, ano seguinte à ascensão do imperador Showa, três dos dez mais populares nomes entre meninos continham o ideograma “sho”. No ano seguinte, o mesmo ideograma só aparece em um nome entre os dez mais populares, no mesmo ranking.

Outro modismo recente é a ausência do ideograma “ko” (criança, filha) no nome das meninas como Yui, Nanami, Hina, Yuka, Misaki, Sakura.

Número

Um fator que muitos japoneses levam em consideração na escolha do nome é a quantidade de traços usados na sua escrita. A soma dos números de traços dos ideogramas do nome e do sobrenome pode caracterizar um futuro bom ou ruim para aquela pessoa. É comum pais e avôs consultarem numerólogos e especialistas em nomeação. Existem também softwares e sites que ajudam os pais a compor nomes de acordo com o número de traços desejados. Quando o nome desejado, combinado com o sobrenome, não dá um número bom, troca-se o ideograma por um outro com sonoridade semelhante, até chegar a um número desejado.

Nomes japoneses podem também conter ideogramas de números como 1, 2 e 3, para reforçar a ordem de nascimento dos filhos. O primogênito seria Ichiro ou Kazuo, e o segundo filho homem seria Jiro ou terminações em ji (dois), como kenji. O terceiro, Saburo, e o quarto, Shiro. Mas essa forma de nomear caiu em desuso porque os casais já não têm filhos em número suficiente para enumerar. Esses mesmos nomes podem ser grafados com ideogramas de outro significado.

 
Nomes na família imperial

A família imperial japonesa tem a sua regra na escolha do nome dos bebês do sexo masculino: desde a época do imperador Taisho, os filhos recebem o nome com a terminação “hito”. Mais recentemente, o filho do príncipe Akishino (Fumihito), irmão mais novo do príncipe herdeiro Naruhito, deu o nome Hisahito ao seu filho. O ideograma “hito” representa conceito como compaixão e consideração, sendo uma das cinco qualidades que as pessoas devem observar, de acordo com o confucionismo. Já entre as mulheres, não há regra.

 

Nomes estranhos

Se de um lado a lei veta o uso de determinados ideogramas, por outro não há restrição para sua pronúncia. A revista Shuukan Bunshun fez matéria na edição de 23 de abril deste ano com o título “Crianças com nomes que os professores não sabem como ler”, listando nomes como Wagen, Hiiroo e Haato usando ideogramas que tradicionalmente teriam leituras “kazugen”, “teiyuu” (herói) e “kizuna” (laço):

O caso mais famoso de nomes estranhos é o caso do nome “Akuma”, demônio ou diabo, literalmente. A prefeitura, felizmente, negou o registro. O pai da criança queria usar a palavra associada à reação do bebê ao nascer. Em um caso mais recente, a prefeitura de Nagoia se negou a registrar um menino com o nome “Centrair”, igual ao nome do Aeroporto Internacional de Nagoia. A prefeitura considerou que o caso era “abuso do direito de nomeação”.

O parágrafo 107 artigo 2 da Lei de Registro japonesa permite que a pessoa mude o registro do nome em determinadas situações, se causar constrangimento, por exemplo. É preciso entrar com um processo e provar o dano. Entre casos de nomes trocados legalmente, está o dos irmãos Genbaku e Suibaku, que significam, respectivamente, “Bomba atômica” e “Bomba de hidrogênio”.


 

Um mar de Hiroshis
“Hiroshi” é um dos nomes masculinos com maior opção de escrita: pode ser escrito apenas um ideograma ou com dois ou três, este último mais raro. Chega-se inclusive a falar que caso não consiga decifrar o ideograma do nome da pessoa, se ele for homem, é quase certeza que se lê Hiroshi. De acordo com o ideograma usado, pode significar sabedoria, oceano, universo, abundância, luz, reverência. Veja abaixo algumas formas de compor esse nome. Além da maneira de compor Hiroshi com dois ou três idogramas, há pelo menos 10 ideogramas que normalmente são usados sozinhos para escrever “Hiroshi”.

 Busca
 Especial
Especial - Nippo-Brasil
• Festa de celebração do Ano do galo 2017 em São Paulo e previsões
Especial - Nippo-Brasil
• + 10 Provérbios Japoneses
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 311
• Gairaigo: as palavras estrangeiras na língua japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 304
• Provérbios do Japão:
sabedoria através dos tempos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 302
• Hanami, uma bela tradição japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 301
• Simbologia japonesa: os animais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 300
• Simbologia japonesa:
as flores e as árvores
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 281
• Você sabe o que significa seu sobrenome?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 279
• Oriente-se para fazer ginástica!
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 271
• Bonsai, a natureza em miniatura
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 253
• Desvendando os
seres da mitologia japonesa
Especial - Nippo-Brasil
• Kaburimono (literalmente, aquilo que se põe na cabeça)
Especial - Nippo-Brasil
• Conheça alguns amuletos e preces orientais
Especial - Nippo-Brasil
• Shichifukujin, as sete divindades
Especial - Nippo-Brasil
• Daruma: sinônimo de sucesso
Especial - Nippo-Brasil
• A história da Hello Kitty
Especial - Nippo-Brasil
• A história e a tradição do Maneki Nekô no Japão
Especial - Nippo-Brasil
• Escrevendo seu nome brasileiro em caracteres japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• 10 Provérbios Japoneses
Arquivo Nippo-Brasil - Edição 27
• Crueldade marca início
do bairro da Liberdade
Arquivo Nippo-Brasil - Edição 26
• Liberdade: um pedacinho
do Japão em São Paulo
• Nomes japoneses mais populares de 2013
• Aprender chinês não é tão difícil assim
• Homens donos de casa
• Executivos japoneses no Brasil convivem com diferenças culturais no País
• Japão ainda dificulta a carreira de mulheres
• Japão estimula funcionários a tirarem licença-paternidade
• Ano-Novo no Japão só
termina em meados de janeiro
• Marcos da imigração no Vale do Ribeira viram patrimônios históricos
• Natal à japonesa: sem feriado, ceia, missa e nem panetone
• Mulheres aderem à moda do plastimodelismo
• Editoras japonesas buscam formas de atrair mais leitores
• Ensino de japonês abre horizonte para estudantes da rede pública
• A nova imigração japonesa no Brasil
• Escolas em São Paulo ajudam a preservar cultura japonesa no País
• Mulheres casadas preferem ficar em casa do que trabalhar fora
• Japão oferece facilidades aos portadores de necessidades especiais
• Suicídios afetam 35 mil trens por ano
• Divórcios no Japão e Brasil:
Quando o amor acaba
• Maternidade torna-se problema social no Japão
• Helper: Os cuidadores de idosos
• Taikô à brasileira
• Como escolher o nome em Japonês
• As noivas que atravessaram o Atlântico
• Yosakoi Soran: Uma dança, muitas culturas
• Pontos comerciais guardam a história do bairro da Liberdade

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo