Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 26 de agosto de 2019 - 0h31
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 129 - 24 de outubro a 6 de novembro de 2001
 
Ryokan, hospedaria estilo japonês

Jin’ya era uma instalação tipo cinco-estrelas, que acomodava os daimiôs, nobres ou funcionários de alto escalão. Já kichin’yado era uma hospedagem mais popular, como a retratada no filme “Depois da Chuva”, último roteiro de Akira Kurosawa

Fotos: Divulgação

Dizem que, como conseqüência do ataque terrorista aos Estados Unidos que abalou o mundo inteiro, muitas pessoas estão cancelando suas viagens. É claro que existem aquelas que nem sequer podem pensar em viagens.

Mas desde quando o povo japonês passou a poder apreciar os prazeres de uma viagem? Foi a partir do início do século 17, quando as agitações da guerra se acalmaram e surgiu o governo feudal do clã Tokugawa. Havia na classe dos guerreiros um sistema de rodízio chamado sankin kootai, em que permaneciam por cerca de um ano prestando serviços ao governo feudal de Edo (na época, a capital),e após esse período, retornavam ao seu feudo para governar. Os comerciantes, por sua vez, viajavam pelo país todo para vender seus produtos. E quanto às viagens dos populares? Em primeiro lugar, as pessoas viajavam para visitar templos. Centenas de milhares de pessoas deslocavam-se para visitar locais como o Templo Xintoísta de Ise (Província de Mie), o konpira (Província de Kagawa, em Shikoku) ou o Templo Budista Zenkoji (Província de Nagano). E nessas viagens havia outras atrações, como repousos em termas.

Como eram os hotéis

Dia 9 de novembro é o Dia do Hotel. Em qualquer país há hotéis de todos os níveis, desde os cinco-estrelas até os albergues. E onde se hospedavam os viajantes antigamente? Primeiramente, havia os correspondentes aos nossos hotéis cinco-estrelas que se chamavam Jin’ya. Eram instalações utilizadas pelos daimiôs, altos funcionários públicos e nobres. Possuíam um portal, tratando-se de imponentes construções no estilo shoinzukuri. Os daimiôs encostavam suas liteiras na entrada das hospedarias, de modo que não pisavam em terra sem calçamento para entrar. Os proprietários de Jin’ya eram pessoas poderosas da região, muitos deles com sobrenome e permissão para portar espada.

E quanto à população que não possuía condições financeiras? Atualmente, as hospedarias oferecem duas refeições por dia, mas no início da Era Edo, não havia instalações para tanto. Portanto, os viajantes precisavam levar seus mantimentos ou comprá-los no local e preparar as próprias refeições. Chamavam-se Kichin’yado as hospedarias que permitiam que seus hóspedes cozinhassem mediante pagamento de taxas para obtenção de lenha. Com a expansão da prática de viajar, aumentaram muitas hospedarias que ofereciam refeições comuns, e estas eram chamadas de Hatago. Paralelamente, os Kichin’yado de baixo custo continuavam a operar devido às necessidades dos viajantes pobres e saltimbancos. O filme “Ame Agaru” (“Depois da Chuva”, 1999), o último roteiro de Akira Kurosawa (dirigido por seu assistente Takashi Koizumi depois da morte de Kurosawa), tem como cenário um autêntico Kichin’yado.

Na segunda metade da Era Edo cresceu o número de populares que viajavam, ampliando, assim, os locais de hospedagem, o que ocasionou aliciações de hóspedes, serviços de bebidas alcoólicas, jogos de azar etc. Instalações confiáveis nas quais a população, principalmente as mulheres, pudesse hospedar-se com tranqüilidade passaram a ser necessárias. Para atender a essas necessidades, os comerciantes de Osaka deram início ao Naniwakoo, em 1804: eram identificadas com placas de Naniwakoo as hospedarias selecionadas que não permitiam a presença de aliciadores, bebidas e jogos de azar. Assim, as hospedarias que ostentassem tal placa asseguravam tranqüilidade.

Diferença de estilos

Atualmente, está diminuindo drasticamente o número de hospedarias em estilo genuinamente japonês, pressionadas pela falta de mão-de-obra. Outro motivo dessa queda é que os hotéis são mais cômodos para os hóspedes que já estão acostumados aos hábitos de vida ocidentais. Também as diárias das hospedarias tradicionais genuinamente japonesas são extremamente caras. Para estrangeiros, as hospedarias japonesas causam a impressão de falta de privacidade. Não há chaves nas portas corrediças. Muitos hotéis adotam portas ocidentais com designs em estilo japonês por dentro. Os banhos coletivos em termas também causam estranheza, apesar de já estarem separados em alas feminina e masculina.

Há ainda como opções de hospedagem os minshuku (hospedarias administradas por famílias, um tipo de pensão), e também alojamentos administrados pelo governo e entidades públicas regionais.

 
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan
Arquivo Nippo - Edição 163
O Monte Fuji
Arquivo Nippo - Edição 161
Óculos
Arquivo Nippo - Edição 159
Sharaku
Arquivo Nippo - Edição 157
KAÔ, um tipo de carimbo personalizado
Arquivo Nippo - Edição 155
Os japoneses e o Impressionismo
Arquivo Nippo - Edição 153
Colheita de Chá
Arquivo Nippo - Edição 151
Undokai, a gincana esportiva
Arquivo Nippo - Edição 149
Ninja
Arquivo Nippo - Edição 147
Os sons dos insetos
Arquivo Nippo - Edição 145
Kanban (Letreiros das casas comerciais)
Arquivo Nippo - Edição 143
Otearai, toalete
Arquivo Nippo - Edição 141
Myoji - Sobrenome Japonês
Arquivo Nippo - Edição 139
Saquê, bebida milenar
Arquivo Nippo - Edição 137
Seijinshiki, a Cerimônia da Maioridade
Arquivo Nippo - Edição 135
Oshogatsu - Ano Novo
Arquivo Nippo - Edição 133
Festival dos Guerreiros de Akoo
Arquivo Nippo - Edição 131
Livros japoneses
Arquivo Nippo - Edição 129
Ryokan, hospedaria estilo japonês
Arquivo Nippo - Edição 127
Yookai: Monstros e fantasmas

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

121 usuários online