PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 15 ANOS
-
Redação: editor@nippo.com.br | Diretoria: diretoria@nippo.com.br 
Vendas:anuncie@nippo.com.br ou adm@nippo.com.br
ou tel: (11) 96898 1326
Quinta-feira, 24 de abril de 2014 - 20h49
DESTAQUES:
Cultura Tradicional - NippoBrasil
Dos clãs às grandes marcas japonesas
Símbolos da Antiguidade conseguem, nos dias de hoje,
estreitar a relação do público-alvo com as empresas
 

(Reportagem: Suzana Sakai | Fotos: Divulgação)

Os símbolos utilizados no passado para identificar os samurais e a nobreza japonesa mantêm-se vivos no mundo capitalista. Isso porque muitas empresas japonesas utilizaram o kamon (insígnia) de famílias tradicionais do arquipélago para construir suas identificações visuais.

O kamon surgiu na época dos guerreiros, como uma forma de identificar os samurais. Eles utilizavam esses símbolos em seus estandartes como uma estratégia de guerra e também para uma rápida identificação no campo de batalha. Na Era Edo, tanto os daimiôs, como os xoguns e a Corte Imperial passaram a concedê-lo às famílias merecedoras, proliferando o seu uso no quimono e em alguns objetos. Com o fim da era dos samurais e a abertura do Japão ao Ocidente, esses símbolos da nobreza passaram a ser utilizados de forma mercantilista. “Com essa abertura, muitas das famílias abastadas foram forçadas a se adaptar às exigências da modernidade, reforçando suas representações pela utilização das insígnias familiares, os kamon, como parte da identidade abalada pelas mudanças. Muitos daqueles que ingressaram no mundo mercantilista utilizaram o kamon nas logomarcas de suas empresas, como forma de preservação da herança cultural”, explica a professora do Centro de Estudos Orientais da PUC, Cecília Saito.

Cultura e marketing

As empresas japonesas conseguem agregar em suas identificações visuais as conceituadas estratégias de marketing em conjunto com a história e a cultura do arquipélago. “Ao contrário do brasão de armas, os kamon ocupam um lugar estimado entre as artes gráficas do país e suas conotações simbólicas são apreciadas e facilmente identificadas pela sociedade. Devido a isso, o princípio do design gráfico japonês seguiu a tradicional simplicidade do kamon, vindo, mais tarde, a tirar proveito das imagens criadas e manipuladas em computador”, observa o pesquisador do Centro de Pesquisas em Cultura Japonesa de Goiás, Eduardo Araújo de Ávila.

Esses símbolos da Antiguidade conseguem, nos dias de hoje, manter uma proximidade com o público-alvo das empresas. “Um dos casos mais conhecidos é o da Mitsubishi: mitsu [três] bishi [diamante], que tem como logomarca a representação de um diamante de três pontas, significando resistência, durabilidade e valor. Na área da indústria alimentícia, cito como exemplo o caso dos pacotes de balinhas japonesas, cujo ideograma umê aparece envolto por um círculo do enigma Zen, que, antigamente, era desenhado em poemas ou em frases para indicar satisfação ou proteção e, dessa forma, transmitir confiança àqueles que adquirem o produto”, comenta Cecília.

Essa identificação entre o público e a empresa também é realizada por meio da própria cultura, como explica Eduardo: “Um exemplo significativo do uso do kamon foi a marca utilizada pela Japan Airlines, entre a década de 1950 até meados de 2008, e que ficou conhecida como tsuru-maru. Segundo relatos da própria empresa, ao adotar, em 1954, a insígnia do tsuru, o objetivo era estabelecer um diferencial visual em relação às outras empresas de linhas áreas internacionais, dando ênfase a um símbolo essencialmente japonês. Historicamente, o tsuru foi amplamente utilizado por clãs de importante posição social no Japão. Culturalmente, o tsuru tornou-se um símbolo referencial do arquipélago”, conta.

 
Uma análise comercial

Para entender como efetivamente a sabedoria trazida pela história das famílias japonesas se aplica ao competitivo mercado da atualidade, conheça um pouco mais sobre as marcas japonesas de hoje pela análise realizada pela especialista em marketing Lígia Cristina Fascioni.

A pedido do Zashi/Variedades, Lígia analisou cinco marcas de famosas empresas japonesas, utilizando-se de princípios do marketing. Ela explica que a marca gráfica de uma empresa pode ser composta pelo logotipo (o nome da empresa escrito com um tipo de letra específico) e pelo símbolo (desenho que acompanha o nome).

Veja mais detalhes:



A Panasonic é formada apenas por um logotipo monocromático e de linhas curvas. A elegância da simplicidade permite flexibilidade nas aplicações. Pode-se observar que, mesmo sendo um nome longo, ele é facilmente identificável, por causa da ausência de efeitos gráficos que geram ruído na comunicação.

A Mitsubishi escolheu um símbolo simples e fácil de ser reconhecido. As três pontas simbolizam responsabilidade/confiança; integridade e ética; comunicação e abertura. As formas remetem a dinastias japonesas que usavam o diamante como padrão. A marca pode ser convertida em uma cor só sem deixar de ser reconhecida.


A Sony também optou pelo uso de um logotipo sem símbolo. As letras com serifa (os acabamento nas pontas) dificultam um pouco a legibilidade, mas, como o nome é curto, não há prejuízo. A empresa também optou pelo uso de uma cor só, o azul, bastante utilizado em tecnologia, por ser uma cor fria, que destaca a racionalidade.

A marca Toyota transmite os conceitos de originalidade e a simplicidade da empresa. Quando esse símbolo foi escolhido, em 1935, a empresa se chamava Toyoda. As formas ovais estilizadas formam um “t” circundado por outra forma oval, representando expansão global da empresa e seu potencial ilimitado.

A marca Honda, com suas linhas clássicas e simples, atravessou os tempos com pouquíssimas modificações desde a sua criação em 1963. O “H” estilizado é utilizado em automóveis e a empresa muda o símbolo nas outras divisões. As motos, por exemplo, usam asas para substituir o H, o que demonstra flexibilidade de aplicações.

Curiosidade
A concepção da marca da Nippon Television – NTV possui uma história bem interessante. O diretor de cinema e animação Hayao Miyazaki, do estúdio Ghibli, criou a mascote Nandaro no ano de 1993, em comemoração do 40º aniversário da emissora. Desde então, Nandaro ficou tão marcado na memória do público, que se tornou sua marca oficial e, hoje, representa a mente curiosa dos profissionais da NTV.
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 05
Objetos tradicionais acompanham japoneses há séculos
Arquivo Nippo - Edição 02
Que restaurante ir ao Japão?
Arquivo Nippo - Edição 01
As variedades das lanternas japonesas
• Provérbios do Japão: Sabedoria através dos tempos
• De grão em grão, arroz faz história no Japão
• Ainu: Uma cultura que quase foi extinta
• Nishikigoi: Tesouro colorido
• Dos clãs às grandes marcas japonesas
• Acordes orientais: Koto e Shamisen
• Obon: Uma celebração aos mortos

© Copyright 1992 - 2014 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo |  Anuncie - Mída Kit