Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quarta-feira, 23 de outubro de 2019 - 3h31
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-

18 de junho de 1908 ~ 18 de junho de 2019

O TRABALHO:
A vida difícil nas fazendas

Com os problemas, japoneses abandonara
os trabalhos e foram para outros locais

 

(Fotos: Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil)

Dos 781 imigrantes japoneses que desembarcaram com o navio Kasato Maru, 773 seguiram para as fazendas Canaã, Floresta, São Martinho, Guatapará, Dumont e Sobrado. No total, foram 586 homens e 187 mulheres.

Em comum entre as fazendas estava as plantações de café. O trabalho, invariavelmente, começava às 6 horas da manhã. Era um serviço árduo, que foi ainda complicado já que 1908 foi um dos piores anos na história da então próspera cafeicultura brasileira. Aliado a isso ainda tinha a concorrência da mão-de-obra européia.

Mas vários outros fatores contribuiram para que a estada dos imigrantes nas fazendas de café tivesse sido curta. Más condições de habitação e alimentação, dificuldade de entendimento com os fazendeiros em função da língua e dos diferentes costumes são apenas alguns exemplos.

Outro detalhe é que os cafeeiros, já velhos, não rendiam aos japoneses ¼ daquilo que esperavam ganhar. Ou como Ryu Mizuno havia propagandeado ainda no Japão, comparando as plantações de café à verdadeiras minas de ouro. Assim, o que muitos ganhavam mal dava para sobreviver. Por conta disso começaram as reclamações e o clima de descontentamento foi tomando conta.

Com os problemas, começaram a retirada e as fugas das fazendas. Depois de seis meses, dos 773 imigrantes enviados às seis fazendas, 430 haviam se retirado desses locais indo para novas propriedades. Outros tentaram a sorte nas estradas de ferro da Noroeste ou trocaram o Brasil pela Argentina, de onde vinham notícias de que por lá seria mais fácil.

 

Fique por dentro

• Fazenda Floresta - Ficava na Estação Itu, onde hoje está a cidade de Itu, a 106 km de São Paulo. Muito bem conservada, em 2006 a fazenda era administrada pela família Vautier Franco.

• Fazenda Canaã - Ficava na Estação Canaã da linha Mogiana. A fazenda estava cerca de 40 km de Ribeirão Preto. A casa-sede foi reformada e a arquitetura original mantida.

• Fazenda Dumont - Ficava na Estação Dumont, a 23 km de Ribeirão Preto. A fazenda desapareceu na década de 30. Hoje, deu lugar à cidade de Dumont, com 7 mil habitantes.

• Fazenda Guatapará - Estava na Estação Guatapará, entre Ribeirão e Araraquara. Parte da fazenda foi adquirida pela Usina São Martinho. Outra está com a Votorantin Papel e Celulose.

• Fazenda São Martinho - Ficava na Estação Martinho Prado da linha Paulista, onde hoje está a cidade de Pradópolis. Desde 1948, a fazenda deu lugar à Usina São Martinho.

• Fazenda Sobrado - Ficava na Estação Treze de Maio da linha Sorocabana, zona que tinha como centro a cidade de São Manoel, a 288 km da capital paulista.


A VIAGEM:
Véspera da partida

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

152 usuários online