Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 23 de setembro de 2019 - 17h34
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 067 - 24 a 30 de agosto de 2000
 
Hiroshima

(Fotos: Divulgação)

Hiroshima, a mundialmente famosa Cidade da Paz, é a maior cidade na extremidade ocidental de Honshu, a maior das quatro principais ilhas que formam o Japão. O miraculoso renascimento de Hiroshima, como uma moderna e próspera cidade com mais de 1.112.000 habitantes (março/98), deve-se em grande parte aos ousados e previdentes programas de construção da cidade, postos em execução desde 1954. Atualmente, Hiroshima se constitui em um importante centro de administração, educação, comunicação e turismo naquela parte do país.

 

Principais locais de interesse turístico

CASTELO HIROSHIMA, também chamado de Rijo (Castelo de Carpa), a 10 minutos de ônibus ou bonde da Estação Hiroshima, mais 10 minutos de caminhada ou 10 minutos a pé do Jardim Shukkeien, foi concluído em 1589 por um senhor feudal local. Serviu como residência da família Asano por mais de 250 anos até a Restauração Meiji, em 1868. O interior de sua torre de cinco andares, reconstruído em seu estilo original, é usado como um museu, mas o castelo e suas imediações funcionam agora como um parque público. Do topo do castelo, os visitantes têm uma linda vista do porto de Hiroshima e da Ilha de Miyajima, na Baía de Hiroshima, bem como um panorama de toda a cidade. Aberto das 9 h às 17h30 (abril a setembro) e das 9 às 16h30 (outubro a março).



CÚPULA DA BOMBA ATÔMICA,
a 15 minutos de ônibus ou bonde da Estação Hiroshima, é uma construção completamente devastada. A parte de cimento foi queimada e, em alguns pontos, derretida, deixando o esqueleto da estrutura de aço exposto contra o céu. A cúpula está situada em Otemachi, perto do lado leste da Ponte Aioi, que foi aproximadamente o epicentro da explosão atômica do dia 6 de agosto de 1945. É o único edifício atingido pela bomba atômica ainda de pé.

MUSEU DE ARTE DE HIROSHIMA exibe principalmente artes modernas européias, incluindo Impressionismo do começo do século 19 até os dias atuais. Aberto das 9 às 17 horas. Fechado: domingo.

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DA CIDADE DE HIROSHIMA, localizado no recinto do Parque Hijiyama, a 15 minutos de bonde da Estação de Hiroshima. O museu mostra trabalhos de arte contemporânea criados após a Segunda Guerra Mundial. Aberto das 10 às 16h30 (1/setembro - 15/julho); das 10 às 18h30 (20/julho - 31/agosto).


PARQUE MEMORIAL DA PAZ,
a 15 minutos de bonde ou de ônibus da Estação Hiroshima, ou a 15 minutos a pé do Castelo Hiroshima, foi criado depois da Segunda Guerra Mundial e está localizado no extremo norte do delta do Rio Ota. O parque contém o Hall Memorial da Paz, construção de estilo moderno, o Museu Memorial da Paz, o Cenotáfio das Vítimas da Bomba Atômica e o Auditório Municipal. O Museu Memorial da Paz abre das 9 às 18 horas (entrada até as 17:30 h, maio a novembro), 9 às 17 horas (entrada até as 16:30, dezembro a abril).

CENOTÁFIO DAS VÍTIMAS DA BOMBA ATÔMICA: no interior desse imenso mausoléu, há um cofre de pedra contendo os nomes das vítimas da bomba atômica. À frente do cofre há um epitáfio inscrito em japonês, que significa “Repousai em paz, pois o erro não será repetido”.

PARQUE HIJIYAMA, a 15 minutos de bonde da Estação Hiroshima, está situado em uma pequena colina na parte leste da cidade. Pode-se subir até o topo, de carro. Daí, o visitante contempla o cenário da maior parte da cidade, inclusive do Boulevard da Paz. O Laboratório da Comissão do Sinistro da Bomba Atômica, com seu imenso telhado semi-cilíndrico, está localizado atrás da colina. A encosta da colina é coberta de cerejeiras, tornando o lugar um ponto turístico muito popular na cidade, especialmente quando as cerejeiras estão floridas.

PARQUE ZOOLÓGICO ASA, 20 min. pela Linha JR Kabe da Estação de Hiroshima para Estação Omachi e 6 min. pela Linha Astram até Estação Kamiyasu, ou 21 min. pela Linha Astram da Estação Kencho-mae debaixo do Centro de ônibus de Hiroshima para Estação Kamiyasu, mais 10 minutos de ônibus, abriga aproximadamente 1,1 mil animais selvagens sobretudo da África em seu recinto de 230 mil metros quadrados cercados por montanhas baixas. Os animais não estão confinados em jaulas. Aberto das 9 às 16h30 (sem permissão de entrada após 16 horas). Fechado: Quinta

JARDIM SHUKKEIEN, a 15 minutos a pé ou 5 minutos de ônibus saindo da Estação Hiroshima, foi originalmente planejado em 1620 por Nagaakira Asano, um senhor feudal que governava o distrito naquela época. Assumindo sua presente forma tempos depois, o jardim cobre uma área de 4 hectares e está registrado como um Lugar Cênico. Está situado às margens do Rio Kobashi, do qual se retira água para formar regatos e pequenos lagos dentro do jardim. As ilhotas, as pontes e as muitas árvores que cercam o jardim dão-lhe uma beleza toda especial. Aberto das 9 às 18 horas (abril a setembro, entrada até 17h30); 9 às 17 horas (outubro a março, entrada até 16:30 h).


Outros pontos vizinhos a serem visitados

KINTAI BRIDGE, 15 min. de ônibus da Estação Iwakuni, foi construído originalmente em 1673 por Hiroyoshi Kikkawa, um lorde feudal da região, com o propósito de proteger os moradores contra enchentes do Rio Nishiki. A ponte tem 193 metros de comprimento, 5 metros de largura e 12 metros de altura desde a água até o ponto mais alto da ponte. Para construir a ponte, não foram utilizados pregos, em vez disso, utilizaram alguns grampos e arames onde empregaram como fechos. Durante os meses de junho a agosto, são realizadas demonstrações de pescaria com cormorão debaixo desta ponte.

YUKI SPA, 1 hora e 35 min. de ônibus do Centro de ônibus de Hiroshima, é um sossegado spa situado no vale do Rio Minochi a oeste de Hiroshima. No verão, os coaxos das rãs e a iluminação dos vagalumes tornam o local mais atraente ainda. Ao lado deste, encontra-se o Yunoyama Spa. Essa região é popular pelos caminhantes. A sudoeste do Yuki Spa, encontra-se o Iwakura Spa a 1 hora e 24 minutos de ônibus do centro de ônibus de Hiroshima.
 Arquivo - Turismo Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 254
• Templo Horyuji
ARQUIVO - EDIÇÃO 247
• Niigata
ARQUIVO - EDIÇÃO 244
• Monte Fuji
ARQUIVO - EDIÇÃO 242
• Okinawa
ARQUIVO - EDIÇÃO 240
• Hokuriku
ARQUIVO - EDIÇÃO 236
• Nikko: a cidade dos santuários
ARQUIVO - EDIÇÃO 232
• Kamakura
ARQUIVO - EDIÇÃO 229
• Yamanashi
ARQUIVO - EDIÇÃO 227
• Okayama
ARQUIVO - EDIÇÃO 222
• Hakone
ARQUIVO - EDIÇÃO 220
• Osaka
ARQUIVO - EDIÇÃO 216
• Iwate
ARQUIVO - EDIÇÃO 214
• Ilha de Sado
ARQUIVO - EDIÇÃO 211
• Hokkaido - Tudo começou em Naka Furano
ARQUIVO - EDIÇÃO 208
• Kansai - Redescobrindo as belezas da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 205
• Soka
ARQUIVO - EDIÇÃO 202
• Hirakata
ARQUIVO - EDIÇÃO 199
• Niigata
ARQUIVO - EDIÇÃO 197
• Tohoku
ARQUIVO - EDIÇÃO 195
• Tóquio e arredores: belezas que encantam
ARQUIVO - EDIÇÃO 193
• Chugoku-Shigoku: O coração do Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 191
• Okinawa: Uma região de paraísos subtropicais
ARQUIVO - EDIÇÃO 189
• Nagasaki - O berço cristão japonês
ARQUIVO - EDIÇÃO 187
• Shimabara
ARQUIVO - EDIÇÃO 185
• Tottori: O Saara japonês
ARQUIVO - EDIÇÃO 183
• Matsue - A herança intacta dos samurais
ARQUIVO - EDIÇÃO 181
• Chiba conserva folclore cultural da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 179
• Okutama: Refrescando-se nas montanhas
ARQUIVO - EDIÇÃO 177
• Mito: A cidade de um dos mais belos jardins japoneses
ARQUIVO - EDIÇÃO 175
• Izu - O paraíso das águas
ARQUIVO - EDIÇÃO 173
• Kyoto: Cenário de três mil templos
ARQUIVO - EDIÇÃO 171
• Chindon-ya
ARQUIVO - EDIÇÃO 169
• Toyama no Kusuri
ARQUIVO - EDIÇÃO 167
• Sensooji o templo do Carnaval
ARQUIVO - EDIÇÃO 165
• Odaiba: a face futurista de Tóquio
ARQUIVO - EDIÇÃO 163
• Todaiji: o templo do grande Buda de Nara
ARQUIVO - EDIÇÃO 161
• Ryuhyoo: O gelo navegante de Hokkaido
ARQUIVO - EDIÇÃO 159
• Hokkaido, o inverno mais gelado do Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 134
• Yamanashi:
A Terra dos Lagos
ARQUIVO - EDIÇÃO 130
• Okayama
ARQUIVO - EDIÇÃO 128
• Osaka
ARQUIVO - EDIÇÃO 126
• Okinawa: Ryukyu, Soberano dos Mares do Sul
ARQUIVO - EDIÇÃO 124
• Kamakura
ARQUIVO - EDIÇÃO 122
• Monte Fuji e os Cinco Lagos

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

250 usuários online