Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Domingo, 22 de setembro de 2019 - 11h56
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 080 - 23 a 29 de novembro de 2000
 
Ilha do Breu
A 34 km de Paraty, esse paraíso ecológico no litoral fluminense
é uma excelente alternativa para quem busca tranqüilidade e beleza natural

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Depois de seis horas de viagem em uma van, 12 turistas paulistanos chegam a Tarituba, uma aldeia de pescadores localizada a 34 quilômetros de Paraty, no Rio de Janeiro. É de lá que sai o barco em direção à paradisíaca Ilha do Breu. São 2h30 da manhã. A travessia leva 15 minutos e tudo está escuro. O marinheiro liga a lanterna como sinal de que a tripulação está chegando. Alguém na Ilha acende uma outra luz. O guia que acompanha os turistas anuncia: “ Bem-vindo à Ilha do Breu. No momento, vocês não vão enxergar muita coisa, mas pela manhã terão uma surpresa. Descobrirão o que é beleza e tranqüilidade”. Ainda desconfiados, os visitantes recebem o anúncio com reservas – afinal, todos os destinos turísticos se autodenominam “paraíso”. Mas antes de retornar ao continente, eles poderão comprovar que nesse caso, a expressão se encaixa perfeitamente. De fato, existe um Jardim do Éden no meio do mar. Esse lugar é a Ilha do Breu.

 

Reserva ecológica

Com 10 mil metros quadrados de extensão, a Ilha do Breu é uma reserva ecológica particular. Pertence ao administrador de empresas Márcio Gouveia desde 1979, quando ele conseguiu um documento da União – proprietária das Ilhotas – garantindo a sua posse, graças às melhorias que ele havia realizado na área. Em troca, tem de defender e preservar o seu pedaço de terra. Márcio é um paulistano cansado da vida estressante da cidade e que, na primeira oportunidade que teve, resolveu vender a casa e a empresa para realizar seu sonho de adolescente de morar numa ilha. É ele quem cuida, protege e preserva a área com vegetação típica da Mata Atlântica. Foi responsável, ainda, pelo aumento da extensão de terra, colocando 630 caminhões de areia, pela construção de 12 chalés e três cabanas (com capacidade para até 60 pessoas), um bar e um amplo restaurante. Além disso, trouxe água encanada do continente por meio de tubos submersos com extensão de 1.500 metros.

É uma estrutura que não deixa a desejar. Por esse motivo, em 1992 Márcio abriu as portas de sua casa aos turistas e a Ilha do Breu passou a ser mais uma opção para quem gosta de conhecer novos lugares. Atualmente, há cerca de oito funcionários no local, cuidando do bem-estar de quem chega. São arrumadeiras, cozinheiros, marinheiros, entre outros. E um detalhe, a energia não faz falta. Num clima de romantismo, os candelabros e lampiões a gás cumprem perfeitamente a tarefa de iluminação. A água do chuveiro sai quente e as geladeiras também a gás garantem as bebidas bem geladas. Como não há eletricidade, os drinques são preparados sem o liqüidificador. Um dos destaques é a batida de pitanga, com frutas colhidas de pitangueiras que embelezam o local.

Portas e janelas abertas

E beleza é o que realmente não falta. Os avisos do guia começam a ter credibilidade, pois logo de manhã os visitantes têm uma surpresa. Ao acordar, quem olha pela janela do quarto tem um cenário de causar inveja. Os turistas que não conseguiam enxergar muita coisa durante à noite, começam a descobrir a Ilha do Breu. Basta sair do chalé para perceber que está dividindo o espaço com animais, como pavões, faisões, bichos-preguiça, flamingos, e até micos-leões-dourados, que se transformam na atração, já que aparecem no café ou na hora do almoço para conquistar qualquer pedaço de fruta ou doce. Depois é preciso passar por deques de madeira e vidro, que permitem a visão do mar sob os próprios pés. Lá também estão as tendas, espreguiçadeiras e guarda-sóis que costumam acomodar os visitantes dos veleiros, lanchas e iates que ancoram ao redor para uma esticada de pernas na ilha. Há, também, uma prainha com água quente e transparente, onde muitos mergulham para ver corais e a rica fauna marinha.

Existem várias outras opções para quem deseja viver seu lado de “explorador”. A ilha é um ponto de ligação para outros passeios. Há um barco disponível para levar os visitantes a outras praias, cachoeiras, para praticar mergulho, fazer trilhas, andar de banana-boat.

Mas para Márcio, o maior entretenimento é não fazer nada. “A Ilha do Breu é para você descansar, pois não passa ônibus na porta, não tem muro, campainha, televisão”, comenta. Um lugar perfeito para quem está à busca de tranqüilidade, principalmente porque não é preciso ter preocupações com assaltos. Não existem chaves e os turistas dormem com portas e janelas totalmente abertas. E nem é preciso utilizar repelentes. Não há mosquitos e pernilongos no local. É realmente um verdadeiro paraíso.

 Arquivo - Turismo Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 250
• Brotas: aventura, natureza e descanso
Arquivo NippoBrasil - Edição 249
• Caldas Novas é quente
Arquivo NippoBrasil - Edição 248
• Foz do Iguaçu: natureza, tecnologia e história
Arquivo NippoBrasil - Edição 246
• Pantanal
Arquivo NippoBrasil - Edição 245
• Salvador
Arquivo NippoBrasil - Edição 241
• Camboriú
Arquivo NippoBrasil - Edição 238
• Adrenalina total!!!
Arquivo NippoBrasil - Edição 233
• Floripa ou Ilha da Magia, como também é conhecida a capital catarinense
Arquivo NippoBrasil - Edição 231
• Conheça São Paulo de Metrô
Arquivo NippoBrasil - Edição 225
• Belém: capital da fé
Arquivo NippoBrasil - Edição 224
• Litoral norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 223
• Região dos Lagos
Arquivo NippoBrasil - Edição 221
• Paraty: diversão para toda família
Arquivo NippoBrasil - Edição 219
• Circuito Histórico de Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 218
• Atibaia
Arquivo NippoBrasil - Edição 217
• Foz do Iguaçu: Beleza dividida
Arquivo NippoBrasil - Edição 215
• Divirta-se nos arredores de São Paulo
Arquivo NippoBrasil - Edição 212
• Um passeio nas alturas da Serra da Mantiqueira
Arquivo NippoBrasil - Edição 210
• Onsens: Estâncias termais que garantem relaxamento e diversão
Arquivo NippoBrasil - Edição 209
• Ilha Grande
Arquivo NippoBrasil - Edição 207
• Poços de Caldas: O santuário da paz
Arquivo NippoBrasil - Edição 206
• Circuito das águas mineiro
Arquivo NippoBrasil - Edição 204
• Redescobrindo o Litoral Sul de SP
Arquivo NippoBrasil - Edição 203
• Serras Gaúchas
Arquivo NippoBrasil - Edição 201
• Socorro abre a porteira para o turismo
Arquivo NippoBrasil - Edição 200
• Circuito das águas
Arquivo NippoBrasil - Edição 198
• Santos: Muito além do Jardim
Arquivo NippoBrasil - Edição 192
• Maranhão, o segredo do Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 190
• Histórias do Grande Sertão Veredas em Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 188
• Turismo ecológico no Rio Grande do Norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 184
• Península de Maraú: uma delícia baiana
Arquivo NippoBrasil - Edição 180
• Pirenópolis, um pedaço do Cerrado Brasileiro

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

194 usuários online