Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 23 de setembro de 2019 - 17h25
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 063 - 27 de julho a 2 de agosto de 2000
 
Manaus
Porta de entrada para a Floresta Amazônica

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Localizada na região Norte do Brasil, Manaus, a capital do Estado do Amazonas, é o portão de entrada para a maior reserva ecológica do planeta: a Floresta Amazônica. O acesso é feito via fluvial, rodoviária ou aérea. Devido à disposição geográfica da cidade, as viagens fluviais ou rodoviárias exigem grande disponibilidade de tempo.

Cercada por rios e floresta, Manaus, cujo nome é alusão aos índios Manáos, que habitavam a região, situa-se à margem esquerda do Rio Negro, próxima ao encontro com as águas do Rio Solimões, cujas diferenças em suas características da água (temperatura, densidade e velocidade) proporcionam um espetáculo de alguns quilômetros, onde as águas deslizam lado a lado para formarem o Rio Amazonas.

 

História

Em meio à selva surge uma cidade. Os anos de 1800 iniciam com a transferência definitiva da sede da capitania de S.José do Rio Negro (Amazonas) de Mariu (Barcelos) para o Lugar da Barra (Manaus), em 1804. Quase trinta anos depois, em 1832, com a criação da Câmara do Alto Amazonas, o Lugar da Barra é elevado à categoria de vila, com o nome de Nossa Senhora da Conceição da Barra do Rio Negro. A vila não passava de uma aldeia rural, imprensada entre os igarapés de São Raimundo e o largo dos Remédios.

Em 1848, a Vila da Barra é elevada à categoria de cidade, ainda como o nome de Nossa Senhora da Conceição da Barra do Rio Negro. Com a elevação de Amazonas à categoria de província, em 1850, a cidade da Barra passa a ser a capital da nova província, começando a mudar de feições. Novas ruas começam a surgir, embora continuasse a ser uma pequena cidade de cerca de 3 mil habitantes, com uma praça, dezesseis ruas e 243 casas.

A essa altura, o resto do mundo já conhecia a navegação a vapor, a grande inovação da época, e pressionava a liberação da vinda de navios estrangeiros no Amazonas, uma região repleta de riquezas naturais. Com isso, a vida econômica da região começa a prosperar com a exportação da castanha, arroz, cumaru, cacau, guaraná, urucum, couro e o látex da seringueira.

Nessa época a borracha natural ainda era utilizada apenas na fabricação de sondas, brinquedos e artefatos. O advento da vulcanização coincide com a descoberta dos grandes seringais nativos no Rio Purus. Em 1888, se inicia a fase mais próspera, quando a fábrica americana Dunlop, utilizando a borracha, redescobre o pneumático para bicicletas, que mais tarde passa a ser aplicado nos automóveis pelos irmãos Michelin.

Em 15 de novembro de 1889 é proclamada a República Federativa do Brasil, extinguindo- se o império. A província do Amazonas passa a ser o Estado do Amazonas, tendo como capital a cidade de Manáos.

Em 1967, institui-se a Zona Franca de Manaus, implementando um novo modelo econômico, baseado na criação de uma área de livre comércio de importação, exportação e de incentivos fiscais especiais.

 

Atrativos Naturais

Parque Cultural, Esporte e Lazer Ponta Negra
A praia da Ponta Negra, localizada a 13km do centro de Manaus, foi no passado habitado pelos índios Manáos, que deu origem ao nome da cidade. Hoje, urbanizada pela Prefeitura Municipal, a Ponta Negra, dotada de toda a infra-estrutura compatível com a sua finalidade de parque urbano, constitui-se em um dos mais importantes atrativos turísticos da cidade.

Encontro das Águas
Fenômeno natural provocado pela confluência das águas escuras do Rio Negro com as águas do Rio Solimões, que juntam para formar o Rio Amazonas. Por uma extensão de 6km, as águas dos dois rios correm lado a lado sem se misturar. Esse fenômeno se dá pela grande diferença entre as temperaturas das águas e velocidade de suas correntezas. O Rio Negro corre cerca de 2km/h a uma temperatura de 22°C, enquanto o Solimões corre de 4 a 6km/h, a uma temperatura de 28°C

Parque Municipal do Mindú
Localizado em plena área urbana, o parque possui uma área de 330 mil m² de mata remanescente do município, servindo para atividades científicas, educativas, culturais e artisticas. A área onde hoje está instalado o Parque do Mindú é um dos últimos refúgios do sauim-de-coleira, macaco que só existe na região de Manaus e que está ameaçado de extinção
.

 

Roteiro Cultural

Teatro Amazonas
Obra arquitetônica mais significativa do período áureo da borracha e principal patrimômio artístico cultural do Estado, comemora o seu centenário neste ano.

Palácio da Justiça
Localizado na mais tradicional artéria de Manaus, o Palácio da Justiça foi inaugurado em 1900. O prédio foi erguido sobre uma área elevada, e protegido por um espesso muro de balaustradas. Este prédio fez parte do plano de monumentalização da cidade e foi projetado para ser a sede do da Justiça.
Seu interior apresenta uma profusão de ornamentos, que misturam elementos de variados estilos. O aspecto barroco do seu ambiente interno contrasta com sua fachada sóbria e austera.

Porto de Manaus
O conjunto arquitetônico do Porto de Manaus, tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional em 1987, é composto por várias construções, entre elas o complexo Trapiche 15 de novembro e demais armazéns, as pontes e os cais flutuantes.

Palácio Rio Negro
Este prédio foi construído no final do século XIX, para ser a residência particular do comerciante de borracha, o alemão Waldemar Scholtz. Em 1911, o prédio foi hipotecado ao Coronel Luiz da Silva Gomes, que o arrendou para o governo estadual. Em 1918, o Estado comprou o prédio para ser residência oficial do governador, passando a denominar-se Palácio Rio Negro. Atualmente o prédio abriga o Centro Cultural Palácio Rio Negro.

 Arquivo - Turismo Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 250
• Brotas: aventura, natureza e descanso
Arquivo NippoBrasil - Edição 249
• Caldas Novas é quente
Arquivo NippoBrasil - Edição 248
• Foz do Iguaçu: natureza, tecnologia e história
Arquivo NippoBrasil - Edição 246
• Pantanal
Arquivo NippoBrasil - Edição 245
• Salvador
Arquivo NippoBrasil - Edição 241
• Camboriú
Arquivo NippoBrasil - Edição 238
• Adrenalina total!!!
Arquivo NippoBrasil - Edição 233
• Floripa ou Ilha da Magia, como também é conhecida a capital catarinense
Arquivo NippoBrasil - Edição 231
• Conheça São Paulo de Metrô
Arquivo NippoBrasil - Edição 225
• Belém: capital da fé
Arquivo NippoBrasil - Edição 224
• Litoral norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 223
• Região dos Lagos
Arquivo NippoBrasil - Edição 221
• Paraty: diversão para toda família
Arquivo NippoBrasil - Edição 219
• Circuito Histórico de Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 218
• Atibaia
Arquivo NippoBrasil - Edição 217
• Foz do Iguaçu: Beleza dividida
Arquivo NippoBrasil - Edição 215
• Divirta-se nos arredores de São Paulo
Arquivo NippoBrasil - Edição 212
• Um passeio nas alturas da Serra da Mantiqueira
Arquivo NippoBrasil - Edição 210
• Onsens: Estâncias termais que garantem relaxamento e diversão
Arquivo NippoBrasil - Edição 209
• Ilha Grande
Arquivo NippoBrasil - Edição 207
• Poços de Caldas: O santuário da paz
Arquivo NippoBrasil - Edição 206
• Circuito das águas mineiro
Arquivo NippoBrasil - Edição 204
• Redescobrindo o Litoral Sul de SP
Arquivo NippoBrasil - Edição 203
• Serras Gaúchas
Arquivo NippoBrasil - Edição 201
• Socorro abre a porteira para o turismo
Arquivo NippoBrasil - Edição 200
• Circuito das águas
Arquivo NippoBrasil - Edição 198
• Santos: Muito além do Jardim
Arquivo NippoBrasil - Edição 192
• Maranhão, o segredo do Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 190
• Histórias do Grande Sertão Veredas em Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 188
• Turismo ecológico no Rio Grande do Norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 184
• Península de Maraú: uma delícia baiana
Arquivo NippoBrasil - Edição 180
• Pirenópolis, um pedaço do Cerrado Brasileiro

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

241 usuários online