Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Domingo, 22 de setembro de 2019 - 12h22
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 046 - 31 de março a 6 de abril de 2000
 
Porto Seguro

(Fotos: Reprodução / Divulgação)

Essa cidade jovem e cheia de vida, recebe fretamentos aéreos lotados de turistas. Será que Porto Seguro tem açúcar? Tem sim! Misturado com leite condensado e frutas, vodca, mel e gelo, resultando no sugestivo “capeta”. E qual outro argumento justifica tamanho interesse por essa pequena cidade? Para os homens há mais mulheres do que homens e vice-versa. Lá pode-se beber até cair que ninguém repara. O baiano sabe receber o visitante, garantindo bons serviços e deixando todos à vontade. Não é preciso ser amigo de ninguém, você é tratado de “meu rei” pelos baianos sem nem ter sido apresentado a eles. E tem mais: não precisa saber dançar, eles te ensinam.

E foi lá que tudo começou. Sabemos que no dia 22 de abril de 1500, Pedro Álvares Cabral veio para essas terras em nome da Coroa portuguesa. Mas há quem diga que Cabral não foi o primeiro. Outros aventureiros já haveriam circulado anteriormente sem deixar pistas. E, cá entre nós, ainda não há acordo sobre o lugar exato onde as naus aportaram. Porto Seguro alega que foi em suas praias, mas a vizinha Santa Cruz de Cabrália (25 km) também. E o que não faltam são placas, uma em cada canto, indicando o “lugar exato” da primeira missa. A confusão é oportuna, dá assunto e cria polêmicas.

Lá, praia, dança e paquera, não necessariamente nessa ordem, tornaram Porto Seguro uma das localidades mais procuradas do Nordeste. Existe um território feito sob encomenda para as galeras, a Passarela do Álcool. E o que não faltam são os hits do momento, sendo até mesmo vendidos por ambulantes e, principalmente, barraquinhas de bebida, todas fartamente decoradas com frutas tropicais e cardápios com nomes nada comuns.

 
Atrações

Arraial D’Ajuda
Separada de Porto Seguro por um rio, Arraial D’Ajuda guarda muitas surpresas. Turistas hippies que há anos elegeram essa vila como refúgio, acabaram instalando-se aí e dando certo. Continuam buscando equilibrar os assédios do progresso e a índole provinciana da antiga aldeia de pescadores. As ruas ainda são de terra batida, mas já existem minishoppings bem charmosos. À noite, a Broadway reune diversos bares com mesinhas no calçadão ao som do reggae, ou samba.

As praias de Mucugê e Pitinga são as mais procuradas. São amplas e não se tem a impressão de estar em praias lotadas. As diversas barracas garantem também tranqüilidade para os que buscam um “refresco” contra o trânsito, a inflação e a poluição da cidade grande.

Trancoso e Cumuruxatiba
A estrada segue poeirenta até Trancoso. Saindo de Arraial, passa-se junto à Praia do Taípe e Rio da Barra e, já em Trancoso, chega-se à Praia dos Coqueiros e Praia dos Nativos. São algumas praias que fazem a diferença numa viagem para o sul do Estado da Bahia. O centro de Trancoso, no famoso Quadrado, reserva algumas opções para tomar as bebidas típicas da região.

Hoje, Cumuruxatiba recebe de braços abertos todos que queiram conhecer sua magia. Afinal, é nessa terra de águas mornas que começa o feitiço da Bahia. Lá a calmaria encanta alguns e entedia outros. Porém, são muitos os que aí se instalaram e montaram seus estabelecimentos. São pessoas que se cansaram da vida agitada e encontraram em “Cumuru”, como é chamada pelos íntimos, o local perfeito para descansar.

Caraíva
Caraíva é um pequeno paraíso situado entre o rio e o mar, no sul da Bahia. A 6 km de Caraíva fica a aldeia de Barra Velha, de índios pataxós, no Parque Nacional de Monte Pascoal, onde foi avistado o primeiro ponto de terra no Brasil. Caraíva é um mundo a parte, com acesso feito por canoas. Não possui energia elétrica, mas algumas pousadas e restaurantes utilizam a energia solar.

Lá está o Espelho das Maravilhas, praia deslumbrante que de noite reflete todo o céu em suas calmas águas. Também localiza-se o Condomínio Outeiro das Brisas, com mansões de artistas e diretores de multinacionais. Para os que chegam de helicóptero não há problema algum, já que há um heliponto no local. Porém, os que se aventuram de carro devem tomar cuidado, pois há grande chance de se perder.

De toda a Costa do Descobrimento, Caraíva é uma das vilas mais preservadas em sua paisagem natural. Tomar banho de mar e de rio, pescar e passear de canoa são atividades que não podem ser feitas em qualquer lugar com tranqüilidade. Aqui pode-se contar inclusive com a companhia de nativos. A luz de gerador é desligada às 22 horas, então a diversão se restringe a uma boa conversa e a atividades durante o dia.

Abrolhos
Abrolhos é um santuário onde são encontrados, além das famosas baleias Jubarte, diversas espécies de peixes, além da presença constante de tartarugas e golfinhos. Do barco é possível enxergar o chão, a uma profundidade de 15 metros.

No continente, os principais pontos de saída dos barcos são Caravelas e Alcobaça. A distância de 70 km pode ser percorrida por diversas embarcações. A biodiversidade da região dos Abrolhos fascina ecologistas, estudiosos e turistas em geral. Basta lembrar que em Abrolhos há uma das maiores concentrações de peixes - tanto em quantidade como em variedade - por metro quadrado do planeta, tornando-a o segundo melhor ponto de mergulho do Brasil.

É no Parque Marinho de Abrolhos que temos uma versão da Grande Barreira de Corais da Austrália que, mesmo sendo bem menor, é tão bela e original quanto. Trata-se do Parcel das Paredes, que lembra uma cidade submersa que ainda é um paraíso desconhecido pelos mergulhadores. Representa um perigo para a navegação devido à sua imensidão.

 Arquivo - Turismo Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 250
• Brotas: aventura, natureza e descanso
Arquivo NippoBrasil - Edição 249
• Caldas Novas é quente
Arquivo NippoBrasil - Edição 248
• Foz do Iguaçu: natureza, tecnologia e história
Arquivo NippoBrasil - Edição 246
• Pantanal
Arquivo NippoBrasil - Edição 245
• Salvador
Arquivo NippoBrasil - Edição 241
• Camboriú
Arquivo NippoBrasil - Edição 238
• Adrenalina total!!!
Arquivo NippoBrasil - Edição 233
• Floripa ou Ilha da Magia, como também é conhecida a capital catarinense
Arquivo NippoBrasil - Edição 231
• Conheça São Paulo de Metrô
Arquivo NippoBrasil - Edição 225
• Belém: capital da fé
Arquivo NippoBrasil - Edição 224
• Litoral norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 223
• Região dos Lagos
Arquivo NippoBrasil - Edição 221
• Paraty: diversão para toda família
Arquivo NippoBrasil - Edição 219
• Circuito Histórico de Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 218
• Atibaia
Arquivo NippoBrasil - Edição 217
• Foz do Iguaçu: Beleza dividida
Arquivo NippoBrasil - Edição 215
• Divirta-se nos arredores de São Paulo
Arquivo NippoBrasil - Edição 212
• Um passeio nas alturas da Serra da Mantiqueira
Arquivo NippoBrasil - Edição 210
• Onsens: Estâncias termais que garantem relaxamento e diversão
Arquivo NippoBrasil - Edição 209
• Ilha Grande
Arquivo NippoBrasil - Edição 207
• Poços de Caldas: O santuário da paz
Arquivo NippoBrasil - Edição 206
• Circuito das águas mineiro
Arquivo NippoBrasil - Edição 204
• Redescobrindo o Litoral Sul de SP
Arquivo NippoBrasil - Edição 203
• Serras Gaúchas
Arquivo NippoBrasil - Edição 201
• Socorro abre a porteira para o turismo
Arquivo NippoBrasil - Edição 200
• Circuito das águas
Arquivo NippoBrasil - Edição 198
• Santos: Muito além do Jardim
Arquivo NippoBrasil - Edição 192
• Maranhão, o segredo do Brasil
Arquivo NippoBrasil - Edição 190
• Histórias do Grande Sertão Veredas em Minas Gerais
Arquivo NippoBrasil - Edição 188
• Turismo ecológico no Rio Grande do Norte
Arquivo NippoBrasil - Edição 184
• Península de Maraú: uma delícia baiana
Arquivo NippoBrasil - Edição 180
• Pirenópolis, um pedaço do Cerrado Brasileiro

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

188 usuários online