PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 16 ANOS
-
Redação: editor@nippo.com.br | Diretoria: diretoria@nippo.com.br 
Vendas:anuncie@nippo.com.br ou adm@nippo.com.br
ou tel: (11) 96898 1326
Terça-feira, 21 de outubro de 2014 - 4h58
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Dinheiro
   Ensaio NB
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   Salão do Automóvel
   Bomba de Hiroshima
   Festival do Japão 2014
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
  O veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos
Caderno Pesca

Como fisgar Tucunarés com iscas artificiais
Emoção, esportividade e alguns segredos...
Isca Firestick: toque curto e seco apresenta ótimos resultados no trabalho de captura

(Texto: Ilton T. NomuraFotos: Ilton Nomura, Alex Peres, Marcos Gonçalves e Sérgio Miled)

Altamente voraz e predador, o tucunaré é uma das espécies mais procuradas pelos pescadores esportivos, seja pela sua agressividade e violência das arrancadas, seja pela beleza de suas explosões nos ataques na superfície d’água.

Tucunaré azul e Tucunaré amarelo

As espécies mais conhecidas em represas distantes até cerca de 800 quilômetros de São Paulo, capital, são o tucunaré azul, que chega a ultrapassar os 5 kg, e o tucunaré amarelo, que raramente atinge os 3 kg, mas que pode crescer até 4 kg em determinadas situações.

O tucunaré amarelo tem resistência e adaptabilidade muito maiores que as do tucunaré azul em águas mais frias e maior índice de sobrevivência na procriação, além de se adaptar muito bem em áreas menos oxigenadas e águas turvas, justamente o oposto de seu parente azulado. Não costuma realizar grandes migrações e se concentra em cardumes numerosos, preferindo sempre a proximidade das margens, vegetações ou troncos, mesmo que eventualmente em locais mais fundos, muitas vezes até sendo residente.

Dois em um: Disputa pela isca

O tucunaré azul, por sua vez, prefere águas mornas, mais claras e até águas amareladas, ricas em material orgânico, mas rejeitam águas avermelhadas ou excessivamente turvas, muitas vezes buscando águas mais oxigenadas, próximas a pedras e locais abertos com passagem de água corrente nos períodos de vazante.

Iscas Atificiais

De acordo com a região, temos um comportamento diferenciado, tanto com relação ao tipo de isca a ser utilizada como para o tamanho e coloração das mesmas, dificultando a observação de um padrão característico para todas elas.

Quando está ativo, dificilmente rejeita iscas de superfície e não erra o bote. Com velocidade surpreendente, ataca com precisão, muitas vezes na caída da isca artificial. Outras ocasiões, apenas reboja ou dá um único estouro na superfície, sendo necessária o uso de iscas de meia água para capturá-lo, ou de técnicas que façam com que o trabalho da isca artificial incentivem um novo ataque que culminem na sua captura.

Pesque e “solte”: garantindo o futuro da pesca

Entre esses trabalhos, está a famosa paradinha, o trabalho lento, e no, caso da Jumping Minnow ou sticks, como a Firestick da Intergreen, que tem dado ótimos resultados, está um toque curto e seco apenas, de modo a deixar a isca submergir. A resposta pode vir num estouro violento. Outras vezes, o trabalho contínuo em zigue-zague com ou sem paradinhas é o que manda.

É interessante notar que, às vezes, é necessário insistir no mesmo local, pinchar três ou quatro vezes no mesmo local para o peixe aparecer. As iscas de hélices prestam-se ao serviço de levantar o tucunaré das profundidades com eficácia.

Em algumas situações, a famosa Mirrolure 7MR , 20MR ou a Sputinick, com trabalhos próximos aos realizados na pesca do robalo são extremamente eficazes e, em outras, apenas uma cor específica tem ação, dificultando a sua captura. A isca Borboleta Tan-tan também tem se prestado para essa situação, com movimentos erráticos,atraindo muito bem o tucunaré.

Quando a vegetação está densa e difícil de ser explorada, como no caso de capinzais vastos, o uso de iscas sem garatéias é essencial para conseguirmos obter o ataque do espécime e atrair o cardume para fora da estrutura. Em situações com excesso de algas, a colher anti-enrosco e o jig, apesar de menos emocionantes, fazem um trabalho na flor-d’água quando recolhidas rapidamente, atraindo o tucunaré.

Ilton e o jovem Ricardo: prêmio com o uso de isca artificial

Muitas vezes, observamos que o tucunaré está mais ativo com iscas de barulho – como hélice ou popper; outras vezes, com iscas sem rattli’n. O ataque pode ser por fome, defesa ou simplesmente raiva, dada a violência com que ele é feito na isca artificial em certas circunstâncias.

Os ventos influenciam no trabalho da isca, no controle do barco e na precisão do arremesso, porém, quando o peixe está ativo, principalmente os grandes, não existem problemas quanto a esse fator. Sugiro, nessa situação, o uso de iscas maiores, do tipo Zara Super (Excalibur) e do tipo popper ou hélice, além da execução de trabalhos que permitam ao peixe um ataque preciso – normalmente lento e com pausas.

Serviço: Ilton T. Nomura é pescador esportivo e atua no ramo da pesca há 11 anos.
Email: ilton@tucuna.com.br Site: www.tucuna.com.br

 Fotos dos Leitores


Vejas as fotos dos nossos pescadores
 Arquivo - Pesca
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?
Peixes de água doce
Cuidado com os peixes venenosos
Serviços diferenciais unem hotéis, pousadas e boas pescarias
Lições de pesca: um hobby que pode ser muito interessante
 Dicas
Dicas para pescaria
Dicas de pescador
Tralhas para pescar cabeçudas
Pescarias de inverno
Como fisgar Tucunarés com iscas artificiais
Dicas de Pescador
Equipamentos
Rabicho ou chicote
Molinetes
Em Serra da Mesa, grandes tucunarés
Bóias: Conheça alguns modelos principais e suas características
Linhas de pesca
Iscas naturais para uma boa pescaria
Iscas de fundo e metálicas
Iscas artificiais: pesca mais dinâmica
Como escolher a melhor vara de pesca?
Anzol: você sabe exatamente
como usá-lo?
A pesca de arremesso em praia
Saiba como manusear carretilhas
Seis dicas básicas para manter seu equipamento em ordem
Carretilhas x Molinetes
 
Mande a foto de sua pescaria. Logo teremos uma nova seção com as fotos de todos nossos pescadores.
E-mail: pesca@nippo.com.br

© Copyright 1992 - 2014 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo |  Anuncie - Mída Kit